Mesmo sem auditoria, Novo Banco recebeu mais 850 milhões de euros em apoios do Estado

Os 850 milhões de euros foram transferidos para o Fundo de Resolução sob a forma de um empréstimo, que injetou 1.037 milhões de euro no Novo Banco. O dinheiro destina-se a compor as contas do Novo Banco de 2019.

António Costa tinha garantido, esta quinta-feira, de que não haveria mais ajudas do Estado enquanto não fossem conhecidos os resultados da auditoria ao Novo Banco. Contudo, de acordo com a notícia avançada pelo “Expresso“, esta sexta-feira, o banco terá recebido mais um empréstimo público no valor de 850 milhões de euros antes do tempo. Esse montante, saíu do Tesouro português para o Fundo de Resolução sob a forma de um empréstimo, que, por sua vez, com a ajuda desse dinheiro, depois injetou 1.037 milhões no Novo Banco.

De acordo com o jornal, a transferência estava prevista desde fevereiro, um facto do qual o primeiro-ministro não teria conhecimento. Em declarações aos jornalistas, esta manhã, no Porto, o primeiro-ministro admitiu que não tinha sido informado, tendo já pedido desculpa ao Bloco de Esquerda pela informação errada transmitida durante o debate quinzenal.

“Não tinha sido informado que, na véspera, o ministério das Finanças tinha procedido a esse pagamento”, assumiu.

A autorização para o financiamento do Fundo de Resolução, que tem a responsabilidade de capitalizar o banco que resultou da resolução do BES, em 2014, foi dada esta quarta-feira, tendo a entidade liderada por Máximo dos Santos adicionado o valor remanescente para as necessidades do Novo Banco depois de um ano de prejuízos de mais de mil milhões.

Relacionadas

Costa assume que não foi informado do pagamento do empréstimo ao Novo Banco

“Não tinha sido informado que, na véspera, o ministério das Finanças tinha procedido a esse pagamento”, assumiu o primeiro-ministro, em declarações aos jornalistas no final de uma iniciativa no Porto.

“É uma operação irresponsável”. PAN critica injeção de 850 milhões de euros pelo Governo no Novo Banco

Para o PAN a verba aplicada no Fundo de Resolução do Novo Banco seria, no atual momento de emergência nacional, melhor empregue para colmatar as “graves consequências” da pandemia.
Recomendadas

Banco de Fomento lança duas novas linhas de apoio à economia no valor de 1.100 milhões de euros

Banco Português de Fomento abre esta segunda-feira as candidaturas para as novas linhas de crédito. A linha de apoio para as empresas exportadoras da indústria e do turismo tem uma dotação global de 1.050 milhões de euros, enquanto a linha de apoio às empresas de montagem de eventos tem uma dotação de 50 milhões de euros.

“É quase inevitável que o crédito malparado comece a aumentar novamente”, diz Dombrovskis

Vice-presidente da Comissão Europeia realça que o malparado diminuiu na banca portuguesa nos últimos anos. No entanto, admite que a crise provocada pela pandemia se irá traduzir num aumento quase “inevitável” do crédito malparado, destacando por isso o Plano de Ação de Bruxelas para combater os créditos improdutivos.

Lesados do Banif e das sucursais exteriores do BES acusam Governo de violar “o princípio constitucional da igualdade”

A ALEV (Associação de Lesados Emigrantes da Venezuela e África do Sul) e a ABESD – Associaçao de Defesa dos Clientes Bancários vêm falar em “potencial violação do princípio constitucional da igualdade” em reação à notícia de que Governo pode não dar garantia a lesados das sucursais exteriores do BES e aos lesados do Banif.
Comentários