Metade das rendas do programa de rendas acessíveis estão abaixo dos 500 euros

O Governo espera dentro de dois anos que 20% dos contratos de arrendamento firmados serão feitos no âmbito do PAA. A maioria dos contratos estão a ser assinados em Lisboa, diz a tutela.

Av. Almirante Reis

Metade das rendas do Programa de Arrendamento Acessível (PAA) estão abaixo dos 500 euros, segundo um balanço feito pelo Governo.

O Ministério das Infraestruturas e da Habitação diz que o “ritmo de contratos assinados continua a aumentar de um a cada dois dias. Avança-se ainda que um quarto destes contratos tem rendas inferiores a 300 euros e cerca de metade tem rendas inferiores a 500 euros. A maioria destes contratos são em Lisboa, zona do país onde a pressão é mais evidente”.

O comunicado cita a secretária de Estado da Habitação, Ana Pinho, que tem referido que o PAA é um programa de médio prazo, sem “efeitos imediatos”, devendo entrar em “velocidade cruzeiro dentro de ano e meio, dois anos”.

No final deste período, cerca de 20% dos contratos de arrendamento firmados serão feitos no âmbito do PAA, segundo a tutela.

“O programa está em linha com as expetativas assumidas pelo Governo aquando do seu lançamento, em julho passado”, de acordo com o ministério de Pedro Nuno Santos.

Recomendadas

Covid-19. Turismo de Portugal vai comparticipar descontos na restauração e alojamento

O Governo vai lançar um esquema de comparticipação pública aos operadores dos setores da restauração, alojamento, transportes e cultura, que ofereçam descontos aos clientes, disse hoje o ministro de Estado, da Economia e Transição Digital, Pedro Siza Vieira.

Número de passageiros transportados pela TAP diminuiu 62% no primeiro semestre

“A TAP atuou com agilidade e rapidez aos primeiros sinais de impacto da pandemia, adequando a capacidade ao novo cenário de procura e minimizando assim os custos operacionais com o objetivo de preservação de caixa”, comentou a companhia, no documento em que demonstrou um prejuízo de 582 milhões de euros no primeiro semestre.

TAP: Plano de reestruturação será apresentado a Bruxelas até 10 de dezembro

O plano visa “assegurar a sustentabilidade e rentabilidade da TAP, através de um adequado planeamento de rotas e frota, da adaptação do produto TAP à realidade atual e pós Covid-19, e do aumento da eficácia e da eficiência dos serviços centrais e das unidades do Grupo TAP”, refere a companhia, que registou um prejuízo de 582 milhões de euros no primeiro semestre.
Comentários