Mexia ganha seis mil euros por dia na EDP

Além de António Mexia, outros seis administradores da EDP ganham mais de um milhão de euros por ano.

Cristina Bernardo

O presidente da elétrica nacional teve direito a 2,2 milhões de euros em 2018, entre remuneração fixa, variável e prémios, menos cem mil euros do que em 2017, segundo o Correio da Manhã, que cita o relatório e contas da elétrica nacional.

Contas feitas e o gestor recebeu, no ano passado, 6024 euros por dia. Um rendimento que é 54 vezes superior à média salarial dos trabalhadores da EDP.

Os custos com remunerações dos colaboradores do grupo ascenderam a 471,65 milhões de euros, ligeiramente abaixo dos 491,7 milhões de 2017. Um montante que, a dividir pelos 11.631 funcionários da elétrica, significa uma média salarial de 40.550 euros brutos por ano.

António Mexia não é, no entanto, o único a receber seis digitos por ano em remunerações. Além do presidente executivo, há mais seis gestores da EDP a auferir rendimentos superiores a um milhão: Nuno Almeida Alves, João Manso Neto, António Martins Costa, Miguel Stilwell de Andrade, Miguel Ferreira Setas e Rui Lopes Teixeira. No total, o Conselho de Administração da empresa recebeu 11,3 milhões de euros.

De salientar que, em 2018, a EDP registou os seus resultados mais baixos em 14 anos, com o lucro líquido a afundar 53% para 519 milhões de euros. A atividade em Portugal teve mesmo prejuízo, pela primeira vez desde o início da privatização da elétrica, em 1997.

Recomendadas

Ligações fluviais entre Barreiro e Lisboa não estão asseguradas na manhã e início da tarde deste sábado

Entre as 7h25 e as 14h55, no sentido entre o Barreiro e Lisboa, e entre as 7h55 e às 15h25, no sentido contrário, as ligações não estão asseguradas, estando os horários “sujeitos a confirmação”, diz Soflusa em comunicado.

BdP e CMVM já enviaram as respostas que a ASF precisa para avaliar idoneidade da administração da Mutualista

O Banco de Portugal enviou ontem por escrito a informação que a ASF diz ter pedido para avançar com a avaliação da idoneidade da administração de Tomás Correia. A CMVM também já respondeu ao regulador dos seguros.

Efacec emitiu obrigações no valor de 58 milhões de euros

De acordo com a informação da empresa liderada por Isabel dos Santos, esta operação vai suportar o crescimento sustentado dos negócios do grupo. A Optimal Investments e a Beka Finance atuaram como assessores financeiros da operação.
Comentários