Microsoft recupera datacenter do mar da Escócia

Dois anos depois, a Microsoft recuperou o datacenter que afundou ao largo da Escócia.

Em 2018, a Microsoft afundou um datacenteer no Mar do Norte, ao largo da Escócia. Passados mais de dois anos, a empresa partilhou as conclusões desta experiência. O contentor cilíndrico foi recuperado por especialistas para determinar como é que aguentou este tempo todo no fundo do mar.

Esta experiência faz parte do Project Natick da Microsoft que procura determinar a viabilidade de colocar datacenters debaixo de água.

O contentor que alberga o datacenter foi enchido com azoto e depois afundado a 35 metros de profundidade. Em vez de se utilizar um mais ou menos complexo sistema de arrefecimento para os servidores, foi a própria água do mar que serviu para manter as máquinas a uma temperatura óptima de funcionamento.

Durante o período da experiência, a taxa de falhas do hardware no “datacenter marítimo” foi oito vezes menor do que num datacenter tradicional em terra.

Segundo a Microsoft, mais de metade a população mundial vive a menos de 200 Km da costa, por isso a empresa acredita que a instalação de datacenters debaixo de água, junto a cidades costeiras via resultar em ligações à Internet mais estáveis e rápidas.

O próximo passo do Project Natick será determinar se os servidores podem ser removidos e reciclados quando atingirem o final da sua vida útil.

PCGuia
Ler mais
Recomendadas

Monese e Mastercard fazem parceria europeia

O objetivo do acordo é oferecer serviços bancários locais para consumidores em toda a Europa, incluindo em Portugal. Os clientes das contas multi-currency da ‘fintech’ britânica passam a ter acesso à rede global de aceitação de cartões Mastercard.

Já foi atingida a supercondutividade à temperatura ambiente

A supercondutividade à temperatura ambiente já foi atingida. Mas esta tecnologia ainda não está pronta para entrar no nosso dia-a-dia.

Netflix ganhou 2,2 milhões de assinantes pagos no terceiro trimestre

A empresa de televisão por ‘streaming’ reportou subscrições e lucros abaixo das expectativas dos analistas, naquele que foi o primeiro relatório e contas desde que o diretor de conteúdos Ted Sarandos foi promovido a co-CEO, juntando-se a Reed Hastings.
Comentários