PremiumMiguel Abecasis: “Negócios adjacentes à consultoria tradicional atraem talento”

O sócio gerente da BCG em Lisboa afirma que, nesta área de atividade, as melhores decisões e os maiores erros têm sempre que ver com pessoas.

A BCG celebra, no próximo ano, 25 anos de presença em Portugal e, pela segunda vez, a consultora norte-americana escolheu Lisboa para realizar o encontro global Worldwide Officers Meeting (WWOM), reunindo cerca de três mil pessoas no Centro Cultural de Belém. O sócio gerente do escritório português diz que é um sinal do compromisso do grupo com o país e que gera impacto económico direto na hotelaria e restauração. Em entrevista, Miguel Abecasis defende ainda e criação de melhores condições fiscais para atrair investimento privado.

Quando chegou à liderança da BCG, há cerca de três anos, referiu que os pagamentos eram um “interessante” negócio. Mantém a ideia de que esta é uma área emergente?
Os pagamentos têm um enorme potencial. Qualquer área de negócio que, por definição, tenha um modelo de engagement com o cliente bastante recorrente – que permite quase ganhar a propriedade do cliente – é sempre muito promissora. É um palco competitivo muito apetecível tanto para incumbentes como para qualquer nova entrante, e temos muitas fintechs que nasceram dos pagamentos. Entrou a nova diretiva [PSD2], mas creio que em Portugal ainda estamos muito longe de produzir os efeitos e de criar a verdadeira disrupção. É uma questão de velocidade, mas essa área, seguramente, ainda vai sofrer grande transformação.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumDeloitte vai quase duplicar soluções na “App Store fiscal”

Os programadores da consultora irão, até ao final do ano, desenvolver mais aplicações móveis para automatizar os processos fiscais das empresas.

Operação Lex: Ordem dos Advogados vê com “grande preocupação” viciação do sorteio de processos em tribunais

A Ordem dos Advogados vê com “grande preocupação” a possibilidade de viciação do sistema electrónico de distribuição de processos nos Tribunais portugueses e apela a que o Conselho Superior de Magistratura assegure que este tipo de práticas “não poderá repetir-se”, depois de notícias que dão conta de que o ex-presidente do Tribunal da Relação de Lisboa, Vaz das Neves, foi constituído arguido no processo Operação Lex, por aquele tipo de suspeitas de viciação.

PremiumNuno Faria: “Negócios entre Portugal e Irão estão em ponto morto”

O advogado Nuno Pinto Coelho de Faria realça que a escalada das tensões no Médio Oriente travou contactos “muitíssimo evoluídos” no setor farmacêutico.
Comentários