PremiumMiguel Abecasis: “Negócios adjacentes à consultoria tradicional atraem talento”

O sócio gerente da BCG em Lisboa afirma que, nesta área de atividade, as melhores decisões e os maiores erros têm sempre que ver com pessoas.

A BCG celebra, no próximo ano, 25 anos de presença em Portugal e, pela segunda vez, a consultora norte-americana escolheu Lisboa para realizar o encontro global Worldwide Officers Meeting (WWOM), reunindo cerca de três mil pessoas no Centro Cultural de Belém. O sócio gerente do escritório português diz que é um sinal do compromisso do grupo com o país e que gera impacto económico direto na hotelaria e restauração. Em entrevista, Miguel Abecasis defende ainda e criação de melhores condições fiscais para atrair investimento privado.

Quando chegou à liderança da BCG, há cerca de três anos, referiu que os pagamentos eram um “interessante” negócio. Mantém a ideia de que esta é uma área emergente?
Os pagamentos têm um enorme potencial. Qualquer área de negócio que, por definição, tenha um modelo de engagement com o cliente bastante recorrente – que permite quase ganhar a propriedade do cliente – é sempre muito promissora. É um palco competitivo muito apetecível tanto para incumbentes como para qualquer nova entrante, e temos muitas fintechs que nasceram dos pagamentos. Entrou a nova diretiva [PSD2], mas creio que em Portugal ainda estamos muito longe de produzir os efeitos e de criar a verdadeira disrupção. É uma questão de velocidade, mas essa área, seguramente, ainda vai sofrer grande transformação.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Martim Menezes é novo sócio da Abreu

Advogado saiu da CCA para reforçar Contencioso e Comercial do escritório liderado por Duarte d’Athayde.

PremiumOptimal prevê mais operações após negócio da Frulact

Sociedade detida por José Maria Ricciardi, Jorge Tomé e Paulo Tenente assessorou o fundo Ardian na compra da Frulact. ‘Managing partner’ está otimista quanto à atividade em 2020 nas fusões e aquisições, e não só.

Mazars com crescimento de 10,4% do volume de negócios

Em Portugal, a Mazars registou um desempenho positivo em 2018/2019. No horizonte 2020 perspetiva-se que a conjugação do crescimento orgânico com operações de crescimento externo permita um crescimento a dois dígitos, acrescenta a empresa internacional de auditoria e consultoria.
Comentários