Miguel Maya garante “total alinhamento” do BCP com os trabalhadores e reitera que compensação em falta depende dos resultados do banco

O líder da comissão executiva do BCP, Miguel Maya, reiterou que, enquanto a compensação aos trabalhadores não for integralmente concluída, a sua equipa não recebe a remuneração variável a que tem direito. Esta tarde, a assembleia-geral do banco aprovou com quase 100% dos presentes a compensação de 12,6 milhões aos trabalhadores, que equivale a um terço do que ainda têm a receber.

Cristina Bernardo

Após a aprovação, em assembleia-geral, da compensação de 12,6 milhões aos trabalhadores do Millennium bcp, o presidente da comissão executiva do banco, Miguel Maya, garantiu que existir “um total alinhamento” entre o banco e os trabalhadores quanto à distribuição temporal da compensação aos trabalhadores.

O ponto dois da ordem de trabalhos, que contemplava, além da distribuição de dividendos, a compensação aos trabalhadores em virtude dos corte salariais entre junho de 2014 e junho de 2017, foi aprovado por 99,98% dos votos, sendo que, inicialmente, estava representado na assembleia-geral 64,5% do capital, subindo depois para 66%.

A compensação de 12,6 milhões equivale a um terço do total do compromisso assumido pelo banco perante os sacrifícios dos trabalhadores “na altura da vida mais difícil do banco”, e que ascende a cerca de 36 milhões.

Questionado sobre se a distribuição temporal da compensação total já estava definida, Miguel Maya salientou que a equipa que lidera tem o “compromisso” de “propor anualmente à assembleia-geral” o pagamento aos trabalhadores “em resultado do que fosse o resultado do banco”. Desta forma, o CEO do BCP salientou que “temos de garantir hoje que o banco gere esse resultado de forma a que, no ano que vem, estamos a fazer uma nova proposta [de compensação]”.

Miguel Maya reconheceu ainda que os trabalhadores desempenharam “um papel relevantíssimo no processo de recuperação [do BCP]” e, nesse sentido, assegurou que existe um “alinhamento total dos interesses na comissão executiva com os trabalhadores do BCP”. E explicou: “se tivermos (a comissão executiva) direito direito a uma remuneração variável, a parte que teríamos acesso num momento inicial, não a teremos enquanto este compromisso não for totalmente concluído”.

A este propósito, o chairman do BCP, Nuno Amado, completou as declarações de Miguel Maya, afirmando que se trata de um “alinhamento também com os acionistas”, uma vez que estiveram “representados 66% do capital do banco e as propostas foram todas aceites e aprovadas por quase 100% dos votos.

Equívoco em relação aos aumento salariais

Os sindicatos bancários manifestaram-se a cerca de cem metros do edifício onde se realizou a assembleia-geral do BCP. Entre os manifestantes, ouviam-se cânticos em defesa de aumentos salariais, algo que, defendem, não acontece desde 2010.

Questionado sobre esta situação, Miguel Maya quis “corrigir” a perceção de que os trabalhadores não são aumentados há nove anos. “Nesses termos não é verdade”, começou por dizer, adiantando que, no ano passado, o BCP  “aumentou 24% dos colaboradores [através da promoção]”. “O que não fizemos foi a atualização das tabelas salariais”, disse.

De resto, numa altura em que o BCP e os sindicatos estão sentados à mesa das negociações, Miguel Maya salientou que o processo negocial está a decorrer dentro da normalidade.

 

 

Ler mais
Relacionadas

BCP: distribuição de dividendos e compensação aos trabalhadores aprovadas com 99,98% dos votos

Realizou-se esta quarta-feira a assembleia-geral anual do Millennium bcp, onde estiveram representados 64,5% do capital. Os acionistas aprovaram a distribuição de dividendos no valor de 30 milhões, assim como a compensação de 12,6 milhões aos trabalhadores que, entre 2014 e 2017, tiveram cortes salariais.

Sindicatos saíram a pedir aumentos duas horas antes da assembleia-geral do BCP terminar

Passavam poucos minutos das quatro da tarde e já a concentração de manifestantes tinha abandonado o parque junto ao edifício, no Taguspark, onde se realizou a assembleia-geral do BCP. Compensação faseada aos trabalhadores de 12,6 milhões foi aprovada com 99,98% dos votos.
Recomendadas

PremiumBCP lidera em volume de ativos por impostos diferidos protegidos pelo Estado

Perduram no balanço dos bancos 3,8 mil milhões de euros de ativos por impostos diferidos elegíveis para capital por serem protegidos pelo Estado ao abrigo do regime especial. O BCP tem 2 mil milhões.

Caixa Geral de Depósitos espera propostas vinculativas por banco no Brasil no quarto trimestre

Esta quinta-feira, o Governo aprovou em Conselho de Ministros uma resolução que seleciona os potenciais investidores que serão convidados a apresentar proposta vinculativa pela instituição brasileira, detida pela Caixa.

PremiumFundo de Resolução terá de ceder ao Estado parte dos 25% que detém no Novo Banco

Venda do Novo Banco à Lone Star estipula que entrada do Estado no capital por força do regime especial dos DTA só dilui o Fundo de Resolução.
Comentários