Miguel Oliveira admite “qualificação difícil” para GP da Catalunha de MotoGP

Oliveira tinha garantido, pela manhã, o apuramento direto para a segunda fase da qualificação, ao fazer o terceiro melhor tempo na terceira sessão de treinos livres.

O piloto português Miguel Oliveira (KTM) admitiu hoje ter tido “uma qualificação difícil” para o Grande Prémio da Catalunha, oitava prova do Mundial de MotoGP, para a qual vai partir da 12.ª posição.

O piloto luso, que caiu no início da derradeira fase de qualificação, mas sem consequências físicas, fez a melhor volta ao cair do pano com o tempo de 1.40,188 minutos, a 475 milésimos de segundo do autor da ‘pole position’, o italiano Franco Morbidelli (Yamaha).

Oliveira tinha garantido, pela manhã, o apuramento direto para a segunda fase da qualificação, ao fazer o terceiro melhor tempo na terceira sessão de treinos livres.

“Esta manhã terminámos com sensações muito boas, mas, à tarde, as condições mudaram e já não me senti tão confortável com o pneu médio”, explicou o piloto de Almada.

Miguel Oliveira admitiu ter perdido “um pouco de confiança” devido à queda sofrida no início da qualificação, na primeira volta lançada, o que significou “não melhorar o tempo da manhã”.

“Estou um pouco desapontado, mas, amanhã [domingo] teremos uma longa corrida, que será muito difícil, pelo que espero fazer uma prova inteligente e chegar o mais próximo possível dos lugares da frente”, concluiu o piloto da Tech3.

O GP da Catalunha disputa-se este domingo, a partir das 14:00 horas (de Lisboa).

Ler mais
Recomendadas

F1. Eleven Sports diz ter ganho mais subscritores com cobertura “sem precedentes” do Grande Prémio de Portugal

“O regresso da F1 a Portugal foi absolutamente histórico e não podíamos estar mais gratos por ter feito parte deste acontecimento. Apesar das normas impostas pela pandemia, que foram de facto desafiantes, preparámos uma operação sem precedentes”, contou gestor da Eleven Sports Portugal ao JE.

Arsène Wenger alerta: criação da Superliga europeia “destruirá a Premier League”

Quando questionado sobre se a criação da superliga europeia é uma decisão empresarial, Wenger responde que “atualmente vivemos um período onde os donos do clube são também eles investidores, ou seja, o principal objetivo deles é fazer dinheiro, e a superliga é uma maneira de o fazer”.

‘Pay per view’ da Premier League não convence adeptos e rende apenas cinco milhões de euros

Nenhum dos nove encontros excedeu os 100 mil espectadores, sendo que três destes ficaram a baixo da média mínima pretendida de 10 mil espectadores. Face aos números registados e, sem a expectativa que estes aumentem significativamente, a PL é forçada a repensar o custo por jogo, como forma de alcançar uma maior audiência durante o próximo mês.
Comentários