Milhares de colombianos protestam nas ruas contra as políticas do Governo

A maior concentração realizou-se no Parque Nacional de Bogotá, de onde os manifestantes seguiram para a Praça de Bolívar para a “minga indígena”, como se conhecem este tipo de mobilizações na Colômbia, onde exigiram melhor qualidade de vida ao Presidente da Colômbia, Ivan Duque, com quem não conseguiram reunir-se.

Milhares de pessoas juntaram-se hoje nas ruas das principais cidades colombianas numa nova onda de protestos contra a política económica e social do Governo, manifestando-se com música e cartazes em que reivindicam a defesa da paz e da vida.

A maior concentração realizou-se no Parque Nacional de Bogotá, de onde os manifestantes seguiram para a Praça de Bolívar para a “minga indígena”, como se conhecem este tipo de mobilizações na Colômbia, onde exigiram melhor qualidade de vida ao Presidente da Colômbia, Ivan Duque, com quem não conseguiram reunir-se.

Os protestos de hoje foram convocados pelo Comité Nacional de Greve, integrado por sindicatos e organizações sociais e civis, para manifestar rejeição à política económica e social de Duque, bem como contra a violência em regiões como Cauca, no sudeste da Colômbia.

Além de Bogotá, idênticos protestos decorreram no centro das cidades de Medellín, Cali, Bucaramanga e Barranquilla.

As centrais sindicais rejeitam as políticas de Duque por considerarem que são contra os trabalhadores face à falta de estabilidade laboral, uma lei que permite a celebração de contratos à hora e que não prevê direitos como subsídios para a educação e para a alimentação, entre outros.

Os manifestantes pediram também o fim das ações violentas, os assassínios de líderes sociais e as restrições aos protestos de cariz social, que são duramente reprimidas pela polícia e que, em setembro, provocaram 10 mortos em Bogotá.

Os protestos serviram também para criticar as medidas tomadas pelo Governo para combater a crise provocada pela pandemia de covid-19, que as consideram terem piorado as condições económicas e sociais dos trabalhadores colombianos.

Ler mais
Recomendadas

Congresso dos Estados Unidos ainda tem cinco incógnitas um mês depois das eleições

Dois lugares no Senado serão decididos numa segunda volta, marcada para 5 de janeiro, enquanto a Câmara dos Representantes aguarda por um duelo entre dois republicanos e pelas batalhas judiciais que devem ser travadas por dois candidatos democratas que ficaram a um punhado de votos das vencedoras. Elevado número de boletins enviados pelo correio atrasou escrutínio sobretudo nos estados da Califórnia e de Nova Iorque.

Covid-19: França registou 313 mortes num dia

O número de novos casos diários no país foi de 14.064 nas últimas 24 horas, uma subida face aos números dos dois dias anteriores, tendo sido já confirmados 2.244.635 casos de covid-19 em França desde o início da pandemia.

“Donald Trump quer um acordo para não ser acusado”, diz ex-porta-voz Scaramucci

Num painel da Web Summit, o ex-porta-voz que se tornou crítico disse que Donald Trump quer causar “tanto estrago quanto humanamente possível” para conseguir um acordo de imunidade. Estrategas dos dois lados do espectro político disseram que a reação Trump aos resultados tem causado distração desnecessária.
Comentários