PremiumMinistério da Educação gasta 23 mil euros em sala de reuniões

Mesa e cadeiras destinam-se a novo edifício do ministério de Tiago Brandão Rodrigues, que trocou a 5 de Outubro pela Infante Santo no ano passado.

O gabinete do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, comprou uma mesa de reuniões e 22 cadeiras pelo valor de 23.300,13 euros (18.943,20 euros acrescidos de IVA). A aquisição foi feita por ajuste direto à Fluxograma – Equipamentos e Organização de Empresas, tendo o contrato sido assinado pela sua chefe de gabinete,  Inês Ferreira, em 25 de fevereiro e divulgado na quarta-feira passada pelo portal de divulgação de contratos públicos BASE.

Os bens comprados pelo Ministério da Educação à Fluxograma são “uma mesa de reuniões retangular, Modelo ONO, com tampo em madeira natural de 20 milímetros, estrutura lacada a preto com topos em pele”, com 6,4 metros de comprimento, 1,2 metros de largura e 75 centímetros de altura. E ainda “22 cadeiras de Modelo NI, com costas médias, assentos estofados e revestidos a pele, base e braços cromados, basculante e com elevação a gás”.

Contactada pelo Jornal Económico, fonte oficial do Ministério da Educação disse que devido à mudança de instalações iniciada no ano passado, quando Tiago Brandão Rodrigues trocou o edifício da Avenida 5 de Outubro, no centro de Lisboa, por um imóvel na Avenida Infante Santo, na zona ribeirinha da capital, tornou-se necessário fazer gastos em mobílias.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

“Governo vê com bons olhos” fim do acordo entre a RTP e a FPF

Catarina Martins confrontou António Costa com o memorando entre FPF e RTP e o primeiro-ministro manifestou-se perplexo com a existência de tal acordo.

“Uma farsa carnavalesca”. Não houve acordo entre Governo e professores

Depois da reunião de hoje, a plataforma de dez estruturas sindicais de professores, que tem negociado com o Governo a recuperação do tempo de serviço congelado, não vai pedir mais nenhum encontro suplementar, afirmou Mário Nogueira, secretário-geral da Fenporf.
Recomendadas

Premium“Costa Silva tem a visão de um futuro mais longínquo”

“Podemos fazer projetos experimentais. Mas não são projetos que alteram significativamente o nosso perfil industrial. Nós precisamos de mais indústria”, diz o gestor Luís Todo Bom, em entrevista ao JE.

PremiumLuís Todo-Bom: “Investimento estrangeiro não tem feito alterações significativas”

O investimento estrangeiro que tem entrado em Portugal recentemente não tem feito nenhuma alteração significativa na nossa estrutura produtiva. Nenhuma, diz o gestor, membro do Conselho Consultivo do PSD.

PremiumBCG: “Sucesso de uma empresa mede-se pelo retorno que traz à sociedade”

Miguel Abecasis, ‘managing director’ e ‘senior partner’ da BCG em Lisboa, acredita que a pandemia acelerou a mudança que já antes estava em curso na forma como se avalia o sucesso das empresas.
Comentários