Ministério das Finanças reage ao aumento do PIB e afirma que “economia mantém dinâmica de crescimento”

O PIB nacional aumentou 0,5% comparativamente ao primeiro trimestre e 1,8% em termos homólogos. Em comunicado, o gabinente de Mário Centeno afirma que o crescimento do PIB continua a ser pautado pelo crescimento do emprego e pela redução do desemprego, tendo sido criados, no segundo trimestre de 2019, mais 42,5 mil empregos.

Cristina Bernardo

O Ministério das Finanças (MF) já reagiu aos resultados da economia portuguesa. De acordo com o Instituo Nacional de Estatística (INE), o PIB cresceu 1,8% no segundo trimestre de 2019 e aumentou 0,5% comparativamente aos primeiros três meses deste ano.

Num comunicado enviado às redações, esta quarta-feira, o gabinete de Finanças afirma que “a economia portuguesa tem hoje bases sólidas para enfrentar um contexto externo pautado pela acumulação de riscos”, lê-se na nota. “A recuperação do investimento ao longo dos últimos anos, a estabilização do setor financeiro, o reequilíbrio das contas externas e os progressos alcançados na consolidação estrutural das contas públicas constituem pilares sólidos para o crescimento económico nos próximos anos”.

De acordo com o departamento de Mário Centeno, o crescimento do PIB continua a ser pautado pelo crescimento do emprego e pela redução do desemprego, tendo sido criados, no segundo trimestre de 2019, mais 42,5 mil empregos por comparação com o segundo trimestre de 2018, enquanto o número de desempregados diminuiu em cerca de 23,4 mil em igual período, correspondente a uma redução da taxa de desemprego para 6,3%, o menor valor desde 2004.

O valor previsto hoje pelo INE vai ao encontro do que esperavam os especialistas do Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa (ISEG), que antecipavam que o PIB se mantivesse ao nível do registado no primeiro trimestre (1,8%).

“Os primeiros dados quantitativos relativos ao segundo trimestre sugerem um crescimento estável do consumo privado, um menor crescimento do investimento e um contributo negativo da procura externa líquida”, argumentaram esses analistasnuma nota divulgada no final de junho.

Na síntese de conjuntura de junho, o ISEG manteve a sua previsão para o crescimento da economia portuguesa para este ano (1,6% a 2%)

A previsão do Governo é de que o PIB cresça 1,9% este ano.

Economia portuguesa cresce 1,8% no segundo trimestre

Ler mais

Relacionadas

Economia portuguesa cresce 1,8% no segundo trimestre

O PIB nacional aumentou 0,5% comparativamente ao primeiro trimestre e 1,8% em termos homólogos. O contributo da procura interna para a variação homóloga do PIB diminuiu, perante uma desaceleração das despesas de consumo final, bem como do investimento, segundo o INE.

ISEG: Crescimento do PIB no segundo trimestre deve manter-se ao nível do primeiro

Na síntese de conjuntura de junho, o ISEG continua a manter a sua previsão para o crescimento da economia portuguesa para este ano: 1,6% a 2%.

Economia “não apresenta sinais mais negativos” do que no primeiro trimestre, diz ISEG

Na “Síntese Económica de Conjuntura”, os economistas do ISEG referem que a informação sobre a economia nacional no segundo trimestre “ainda é bastante escassa”, mas que não apresenta sinais mais negativos do que nos primeiros três meses do ano.
Recomendadas

Aeroporto de Beja “tem de ser aproveitado e valorizado”, garante ministra

Ana Abrunhosa falou ainda à “Antena 1” e “Negócios nos descontos nas ex-SCUT do interior do país, descartando avançar com uma data para avançarem, depois de ter dito no parlamento que medida entraria em vigor no terceiro trimestre. “Está a ser finalizada e oportunamente será comunicada”, diz.

Itália revê em alta projeções macroeconómicas e antecipa queda de 9% do PIB em 2020

O mesmo acontece em relação ao aumento da dívida pública para números entre os 158 e 159% do Produto Interno Bruto, depois de ter sido antecipado um cenário de 155,7% no início do segundo trimestre deste ano, por parte do governo transalpino.

Indústrias conserveiras ibéricas unem esforços para defender setor a nível europeu

A ANICP e a Anfaco-CEcopesca defendem que os acordos de comércio livre bilateriais da Europa com países terceiros, devem ter em consideração, não apenas a especificidade da indústria e a sua importância para as comunidades locais, como a concorrência desleal feita alguns destes países.
Comentários