Ministério das Finanças reage ao aumento do PIB e afirma que “economia mantém dinâmica de crescimento”

O PIB nacional aumentou 0,5% comparativamente ao primeiro trimestre e 1,8% em termos homólogos. Em comunicado, o gabinente de Mário Centeno afirma que o crescimento do PIB continua a ser pautado pelo crescimento do emprego e pela redução do desemprego, tendo sido criados, no segundo trimestre de 2019, mais 42,5 mil empregos.

Cristina Bernardo

O Ministério das Finanças (MF) já reagiu aos resultados da economia portuguesa. De acordo com o Instituo Nacional de Estatística (INE), o PIB cresceu 1,8% no segundo trimestre de 2019 e aumentou 0,5% comparativamente aos primeiros três meses deste ano.

Num comunicado enviado às redações, esta quarta-feira, o gabinete de Finanças afirma que “a economia portuguesa tem hoje bases sólidas para enfrentar um contexto externo pautado pela acumulação de riscos”, lê-se na nota. “A recuperação do investimento ao longo dos últimos anos, a estabilização do setor financeiro, o reequilíbrio das contas externas e os progressos alcançados na consolidação estrutural das contas públicas constituem pilares sólidos para o crescimento económico nos próximos anos”.

De acordo com o departamento de Mário Centeno, o crescimento do PIB continua a ser pautado pelo crescimento do emprego e pela redução do desemprego, tendo sido criados, no segundo trimestre de 2019, mais 42,5 mil empregos por comparação com o segundo trimestre de 2018, enquanto o número de desempregados diminuiu em cerca de 23,4 mil em igual período, correspondente a uma redução da taxa de desemprego para 6,3%, o menor valor desde 2004.

O valor previsto hoje pelo INE vai ao encontro do que esperavam os especialistas do Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade de Lisboa (ISEG), que antecipavam que o PIB se mantivesse ao nível do registado no primeiro trimestre (1,8%).

“Os primeiros dados quantitativos relativos ao segundo trimestre sugerem um crescimento estável do consumo privado, um menor crescimento do investimento e um contributo negativo da procura externa líquida”, argumentaram esses analistasnuma nota divulgada no final de junho.

Na síntese de conjuntura de junho, o ISEG manteve a sua previsão para o crescimento da economia portuguesa para este ano (1,6% a 2%)

A previsão do Governo é de que o PIB cresça 1,9% este ano.

Economia portuguesa cresce 1,8% no segundo trimestre

Ler mais

Relacionadas

Economia portuguesa cresce 1,8% no segundo trimestre

O PIB nacional aumentou 0,5% comparativamente ao primeiro trimestre e 1,8% em termos homólogos. O contributo da procura interna para a variação homóloga do PIB diminuiu, perante uma desaceleração das despesas de consumo final, bem como do investimento, segundo o INE.

ISEG: Crescimento do PIB no segundo trimestre deve manter-se ao nível do primeiro

Na síntese de conjuntura de junho, o ISEG continua a manter a sua previsão para o crescimento da economia portuguesa para este ano: 1,6% a 2%.

Economia “não apresenta sinais mais negativos” do que no primeiro trimestre, diz ISEG

Na “Síntese Económica de Conjuntura”, os economistas do ISEG referem que a informação sobre a economia nacional no segundo trimestre “ainda é bastante escassa”, mas que não apresenta sinais mais negativos do que nos primeiros três meses do ano.
Recomendadas

Direito de Resposta: “Inspetor Geral de Finanças não é arguido, mas antes promotor e principal interessado em investigação em curso”

IGF garante que foram o Conselho de Inspeção e o Inspetor-Geral da IGF que participaram os indícios de crimes praticados por trabalhadores e em relação aos quais esses trabalhadores foram constituídos arguidos. “Em retaliação, um desses trabalhadores apresentou queixa contra a sua superior hierárquica e contra o Inspetor-Geral no âmbito da auditoria à Cruz Vermelha Portuguesa, os quais imediatamente se disponibilizaram para a realização de todas as investigações judiciais necessárias à salvaguarda do seu bom nome e das instituições públicas visadas e à efetiva condenação do trabalhador, autor de atos ilícitos”, refere. “Assim, o Inspetor-Geral de Finanças não é arguido, mas antes promotor, agente ativo e principal interessado na referida investigação”, conclui.

Governo já pediu a Bruxelas que IVA da luz possa variar em função do consumo

Executivo já iniciou processo para ter autorização da Comissão Europeia para criar escalões de consumo para o IVA da eletricidade.

Maria e Francisco foram os nomes mais escolhidos para bebés em Portugal este ano

Francisco foi pela primeira vez o nome mais escolhido para rapazes, Maria mantém a primeira posição entre as raparigas.
Comentários