Ministério do Mar prevê crescimento em todos os portos do continente em 2018

O ministério liderado por Ana Paula Vitorino está convencido que todos os portos do continente vão bater recordes de movimentação de mercadorias durante o presente ano.

O Ministério do Mar prevê o crescimento da movimentação de mercadorias em todos os portos do continente durante o presente ano e o estabelecimento de diversos recordes.

Apesar de um recuo de 10,9% registado no primeiro trimestre deste ano, para 21,9 milhões de toneladas movimentadas, o ministério liderado por Ana Paula Vitorino defende que “importa salientar que os meses de março e, sobretudo, de abril já denotaram sinais de retoma que apontam para um regresso à tendência de crescimento”.

“(…) Com a estabilização das condições climatéricas e das operações portuárias, surgiram os primeiros sinais de recuperação. O porto de Leixões, por exemplo, depois de registar um primeiro trimestre com uma quebra acumulada de -4,67% (fortemente impactado pelas condições climatéricas que fizeram perder 20% de carga no mês de março), registou um excelente mês de abril (+16%) e já está a crescer no primeiro quadrimestre deste ano face ao mesmo período de 2017 (+0,47%) – e é importante lembrar que 2017 foi o melhor ano de sempre no porto de Leixões”, destaca um comunicado do Ministério do Mar.

De acordo com esse documento, “também o porto de Lisboa já mostra sinais de retoma e, depois de registar quebras nas movimentações de janeiro e fevereiro, evidenciou sintomas de recuperação em março, que se confirmaram no mês de abril e que resultaram já num aumento de 2,5% no tráfego de granéis sólidos no presente quadrimestre, quando comparado com os primeiros quatro meses de 2017”.

“No porto de Lisboa, as perspetivas apontam para um 2018 a crescer, sendo de prever que termine o exercício com um aumento de movimentação de mercadorias na ordem dos 3% – que, a confirmar-se, fará deste o melhor ano de sempre da última década!”, congratula-se o Ministério do Mar.

No porto de Aveiro, ainda no primeiro quadrimestre de 2018, foram movimentadas “perto de 1,8 milhões de toneladas, o que representa um crescimento de 8,71% face ao período homólogo de 2017, mantendo assim a trajetória de crescimento acentuado que já tinha ficado evidente no ano passado”, sendo de “prever novo ano de máximos (as estimativas apontam para que cresça 2% em 2018), depois do volume histórico alcançado em 2017”.

“Já no porto de Sines, prevê-se que o segmento de contentores continue a tendência de crescimento dos últimos anos, com estimativas de um aumento acumulado na ordem dos 5% em 2018”, avança o referido comunicado.

Quanto ao porto de Setúbal, o Ministério do Mar entende que, embora se tenha registado uma ligeira quebra de 1% no primeiro trimestre, “isso não deverá impedir que feche o ano com um crescimento significativo de 9%”.

“Por fim, no porto da Figueira da Foz, depois de um recuo de 1,5% no primeiro trimestre, as perspetivas apontam para um crescimento de 2% no acumulado anual”, assegura o Ministério do Mar.

O ministério liderado por Ana Paula Vitorino, conclui que, “no que diz respeito às perspetivas globais para o ano 2018, as previsões apontam para um novo máximo histórico no segmento dos contentores, que deverá crescer mais de 3% e ultrapassar a fasquia dos três milhões de TEU [medida-padrão equivalente a contentores com 20 pés de comprimento] – o que será um feito inédito no sistema portuário nacional”.

Ler mais

Recomendadas

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

Leia todas as edições do Jornal Económico, na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o Jornal Económico. Apoie o jornalismo independente.

Governo anuncia linha de crédito de 50 milhões para microempresas de gestão de eventos

Os 50 milhões de euros foram anunciados pelo ministro da Economia no Parlamento, num exemplo de uma das áreas que, não sendo óbvia, enfrenta enormes dificuldades por orbitar em torno de um setor muito condicionado pela pandemia, o turismo. 20% dos 50 milhões de euros desta linha poderá passar a fundo perdido caso empresas mantenham o emprego no próximo ano.

Fórum para a Competitividade prevê queda do PIB até 12% este ano

Para o próximo ano, a entidade liderada por Pedro Ferraz da Costa antevê uma recuperação do PIB entre 5% e 6%.
Comentários