Ministério Público brasileiro diz que Vale conhecia risco da barragem de Brumadinho desde outubro

O Ministério Público de Minas Gerais sustenta que a mineradora brasileira Vale conhecia o risco de rutura da barragem desde outubro de 2018, cujo acidente em janeiro já causou pelos menos 165 mortos e 155 desaparecidos em Brumadinho.

O Ministério Público de Minas Gerais sustenta que a mineradora brasileira Vale conhecia o risco de rutura da barragem desde outubro de 2018, cujo acidente em janeiro já causou pelos menos 165 mortos e 155 desaparecidos em Brumadinho.

De acordo com uma ordem judicial de uma das ações movidas contra a Vale, tornada pública na segunda-feira, o Ministério Público apresentou “documentos que mostram que, em outubro de 2018”, a empresa sabia que dez barragens, de um total de 57, estavam em risco, incluindo a da cidade brasileira de Brumadinho.

“Os documentos recolhidos pela acusação” mostram que “em outubro 2018 já havia sido constatado” pela Vale “o grau de risco de rutura” dessas barragens, segundo o magistrado Sérgio Henrique Cordeiro que salienta o facto daquelas estruturas terem sido, contudo, indicadas como seguras pela empresa.

Também na segunda-feira, a Agência Nacional de Mineração do Brasil (ANM) informou que as empresas mineiras terão de realizar inspeções diárias em barragens de resíduos idênticas à de Brumadinho.

Na sua página na internet, a ANM adiantou que as empresas que não cumpram as inspeções diárias poderão ser multadas e até terem a barragem interditada.

A barragem que colapsou em Brumadinho, no estado brasileiro de Minas Gerais, foi feita através do método de alteamento a montante, no qual se constroem degraus com os próprios resíduos, sendo o método mais simples e também o menos seguro.

Essa foi também a técnica de construção usada na barragem da empresa Samarco, que rebentou em 2015, na cidade de Mariana, igualmente no estado de Minas Gerais, onde, aliás, se encontra a maior concentração deste tipo de estruturas.

O desastre em Brumadinho ocorreu a 25 de janeiro, quando uma das barragens nas quais a empresa mineira Vale armazenava resíduos rebentou, provocando uma avalanche de lama que soterrou as instalações da própria empresa e centenas de propriedades rurais.

Ler mais
Recomendadas

Trump promete não construir torre se comprar a Gronelândia

“Prometo não fazer isto na Gronelândia”, afirma Trump no Twitter. A publicação do presidente sobre a compra da ilha dinamarquesa pode querer significar que Donald Trump quer avançar com a oferta irrealista. O Governo de Copenhaga já deixou bem claro que a Gronelândia não está à venda e que a ideia é “absurda”.

EUA dizem que estão “no ponto de viragem de uma relação muito diferente” com Angola

O secretário adjunto dos Estados Unidos para as relações com África, Matthew Harrington, disse na segunda-feira em Washington que Angola e EUA estão “no ponto de viragem de uma relação muito diferente do passado”.

Hong Kong: Twitter bane propaganda de media controlados pelo Estado chinês

A rede social Twitter informou hoje que não aceitará mais “propaganda de órgãos de imprensa controlados pelo Estado”, condenando comportamentos “manipuladores”, depois de anunciar que suspendeu quase mil contas associadas ao regime chinês.
Comentários