Ministério Público faz levantamento de processos que envolvem suspeito no desaparecimento de Maddie

A Procuradoria da República da Comarca de Faro anunciou esta quarta-feira que está a proceder a um levantamento dos processos que relacionam o cidadão alemão suspeito no desaparecimento de Madeleine McCann, com outros processos registados na região.

“Com vista ao esclarecimento sobre a matéria, o Ministério Público (MP) tem vindo a proceder a um levantamento” de processos que correram termos na comarca de Faro, e que relacionam o cidadão alemão suspeito de intervenção no desaparecimento de Madeleine McCann, escreve a Procuradoria na sua página na Internet.

O MP esclarece que de acordo “com os elementos disponíveis até ao momento”, foi apurado que o agora suspeito foi condenado por desobediência e por furto num outro processo.

Além destes dois processos, foram igualmente localizados cinco pedidos de cooperação judiciária internacional em que é mencionado o nome daquele cidadão alemão.

Segundo o MP, um dos pedidos de cooperação internacional é relativo a um processo contra desconhecidos e que foi arquivado em fevereiro de 2006, “e quatro respeitam ao processo em que se investiga o desaparecimento de Madeleine McCann”.

O designado processo ‘Maddie’ foi inicialmente arquivado em 2008, tendo o MP determinado, em 2013, a reabertura do mesmo, por terem surgido novos elementos que justificavam o prosseguimento da investigação, adianta a Procuradoria.

“Após a reabertura do processo não foram constituídos arguidos, prosseguindo as investigações com a realização de diligências que se revistam de utilidade ao apuramento dos factos e à identificação e responsabilização dos respetivos autores”, avança o MP.

O inquérito sobre o desaparecimento de Madeleine McCann em 2007, é dirigido pelo Ministério Público da secção de Portimão do Departamento de Investigação e Ação Penal de Faro com a coadjuvação da Polícia Judiciária.

De acordo com a Procuradoria da Comarca de Faro, a investigação tem sido desenvolvida em estreita cooperação com as autoridades judiciárias alemãs e inglesas, nos termos definidos na Convenção Europeia de Auxílio Judiciário Mútuo em Matéria Penal e na Diretiva 2014/41/UE do Parlamento e do Conselho Europeu.

As polícias britânica e alemã, lançaram no dia 3 de junho um novo apelo público de informação sobre um homem alemão, suspeito de envolvimento no desaparecimento de Madeleine McCann em Portugal em 2007.

O homem, de 43 anos, atualmente a cumprir pena de prisão na Alemanha, terá vivido no Algarve entre 1995 e 2007, tendo a polícia revelado que registos telefónicos o colocam na área da Praia da Luz no dia em a criança inglesa desapareceu.

Madeleine McCann desapareceu no dia 3 de maio de 2007, poucos dias antes de fazer quatro anos, do quarto onde dormia juntamente com os dois irmãos gémeos, mais novos, num apartamento de um aldeamento turístico, na Praia da Luz, no Algarve.

Ler mais
Recomendadas

Bruxelas quer justiça mais eficiente em Portugal: processos podem demorar mais de mil dias nos tribunais administrativos e fiscais

Bruxelas voltou hoje a defender que o país tem de “melhorar a eficiência nos tribunais administrativos e fiscais”, contando com uma das taxas mais altas de processos em atraso na União Europeia. Na primeira instância, os casos demoram em média mais de 900 dias nestes tribunais. Em segunda instância, superam os mil dias.

Tribunal da Concorrência reduz em 10% coima de 38,3 milhões aplicada à EDP e Sonae

O Tribunal da Concorrência confirmou esta quarta-feira a condenação dos grupos EDP e Sonae por pacto de não-concorrência, reduzindo em 10% as coimas de 38,3 milhões de euros aplicadas em maio de 2017 pela Autoridade da Concorrência (AdC).

Ordem endurece luta contra a procuradoria ilícita e pede fecho de empresa de falsos advogados em tribunal

O Conselho Regional de Lisboa considera que a sociedade comercial Intercobranças, com sede em Lisboa, pratica atos próprios dos advogados, como “a negociação tendente à cobrança de créditos, constando tal atividade, à imagem de outras situações similares, do próprio objeto da referida entidade privada”.
Comentários