Ministro da Administração Interna convoca reunião de emergência da Proteção Civil

Eduardo Cabrita declara “situação de alerta” por considerar que a greve dos motoristas vai afetar “bens e serviços absolutamente essenciais à população”.

Foto cedida

Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna declarou “situação de alerta” no continente entre as 23h59 de hoje e as 23h59 de 21 de agosto e convocou uma reunião de emergência da Comissão Nacional de Proteção Civil para amanhã, 10 de agosto.

Estas medidas extraordinárias são justificadas pela anunciada “greve dos combustíveis” e pela possibilidade de “serem afetados bens e serviços absolutamente essenciais à população”.

“A situação de alerta é declarada na sequência da situação de crise energética decidida pela resolução de Conselho de Ministros nº 134-A/2019, face à suscetibilidade de serem afetados bens e serviços absolutamente essenciais à população”, justifica o ministério liderado por Eduardo Cabrita.

Recomendadas

Catarina Martins sinaliza que “só não há um OE se o Governo não quiser”

A líder bloquista exemplificou algumas das áreas nas quais quer ver avanços no documento de OE, como o SNS ou as “longas carreiras contributivas”, esclarecendo ainda que “não se prende por questões formais”, pretendendo apenas “redações exatas das leis”.
Nuno Melo e Francisco

Nuno Melo abre e Rodrigues dos Santos encerra escola de quadros da Juventude Popular

Atual líder centrista e o eurodeputado que pretende ser o próximo presidente do partido não se irão cruzar no hotel de Portimão onde decorre uma ação de formação que conta com convidados como o social-democrata Miguel Pinto Luz e o socialista Álvaro Beleza, presidente da SEDES.

PCP: “Não tem havido grande evolução” nas negociações com o Governo sobre o OE2022

Segundo Jerónimo de Sousa, o partido transmitiu a Marcelo Rebelo de Sousa a importância de o orçamento do próximo ano ter incluídas medidas essenciais, nomeadamente de valorização dos salários, das reformas e das pensões, reforço da rede de creches e dos serviços públicos.
Comentários