Ministro da Defesa assegura que não existem “movimentos zero” nas Forças Armadas portuguesas

“Só na comunicação social é que vejo essas referências, não o sinto nas Forças Armadas. Essas organizações são praticamente inexistentes e não correspondem à atitude dos nossos militares”, salientou João Gomes Cravinho durante a audição parlamentar conjunta das comissões de Orçamento e Finanças e da Defesa Nacional, esta quarta-feira.

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, garantiu que “movimentos que se manifestam nas redes sociais e sob anonimato dos seus membros não existem nas Forças Armadas”, durante a audição parlamentar conjunta das comissões de Orçamento e Finanças e da Defesa Nacional sobre o Orçamento de Estado para 2020 (OE 2020), esta quarta-feira, 22 de janeiro.

“Sindicatos e movimentos zero não correspondem minimamente às impressões que vivi nos últimos 15 meses de convivência [desde que foi nomeado ministro no primeiro Governo liderado por António Costa] com as Forças Armadas. Essas organizações são praticamente inexistentes nas Forças Armadas”, afirmou João Gomes Cravinho em resposta à questão colocado pelo deputado do Bloco de Esquerda (BE) João Vasconcelos.

O deputado do BE interpelou o ministro sobre o estatuto dos militares das Forças Armadas, o estado da operação do Arsenal do Alfeite, que serve de estaleiro e base naval militar, e uma alegada crescente reivindicação ao associativismo entre militares, defendendo que a degradação da condição exercício dos militares pode levar à “criação de movimentos zero” nas Forças Armadas. Por isso, o Governo “não pode ficar cego, surdo e mudo”, comentou.

“Só na comunicação social é que vejo essas referências, não o sinto nas Forças Armadas. Essas organizações são praticamente inexistentes e não correspondem à atitude dos nossos militares”, salientou em resposta João Gomes Cravinho.

João Vasconcelos sustentara a sua interpelação com dados da Associação dos Oficiais das Forças Armadas (AOFA), frisando que pelo menos 30% dos militares terão interesse em garantir direitos associativos. Isto é, poder participar ativamente em organizações sindicais ou movimentos políticos.

Antes, João Gomes Cravinho já tinha afirmado que “a Defesa é nacional e deve estar fora da conflitualidade politico-partidária”, em resposta à interpelação de Ana Miguel Santos, deputada do Partido Social Democrata (PSD).

Em 17 de janeiro, surgiu um documento não assinado de um movimento que se autodenomina Militares Unidos contra a falta de aumentos ou promoções e de condições de segurança e em que se pede que os militares, praças, sargentos ou oficiais, mostrem o “descontentamento”.

E apelavam a que não comparecessem nos refeitórios à hora de almoço ou ficassem na unidade até ao arriar da bandeira nacional, na terça-feira, véspera da apresentação do OE 2020 no parlamento, pelo ministro da Defesa Nacional.

A Associação de Praças das Forças Armadas apoiou e associou-se a este protesto simbólico, enquanto a Associação de Oficiais das Forças Armadas (AOFA) se demarcou embora tenha admitido compreender os motivos da iniciativa.

No final de 2019, a AOFA alertou para o aparecimento de movimentos de “tipo zero”, a exemplo daqueles que surgiram nas forças de segurança, na PSP, neste caso na Marinha portuguesa.

Ler mais
Recomendadas

Jerónimo de Sousa: “Vacina? Gostaria de a tomar não como deputado mas como cidadão”

O líder comunista destacou ainda “a importância e necessidade do processo de vacinação avançar o mais rapidamente possível e em segurança”.

Respostas rápidas: saiba o que se diz sobre a vacinação dos políticos

Desde quem tem direito, passando pelos argumentos que a suportam até aos que já rejeitaram receber a vacina, saiba o que se diz sobre a vacinação dos políticos.

Lacerda Sales: Pedido de ajuda internacional “ainda não foi formalizado completamente”

Lacerda Sales relembra que existem mecanismos de cooperação europeia prontos para serem ativados como se assistiu em vários países na primeira vaga, mas que, para já, “enquanto formos tendo respostas e capacidade de responder às necessidades dos portugueses, vamos respondendo”.
Comentários