Ministro da Economia apela para que empresas comprem equipamentos nacionais

Em declarações no final de uma reunião com empresas do setor dos bens de equipamento, o governante garantiu que “todas as projeções para os próximos anos apontam para que Portugal continue a crescer acima da média da União Europeia”, lembrando que o que o executivo quer “é que cresça mais”.

Cristina Bernardo

O ministro de Estado, da Economia e Transição Digital, Pedro Siza Vieira, apelou hoje para que as empresas portuguesas optem por comprar bens de equipamento nacionais para as suas unidades.

Em declarações no final de uma reunião com empresas do setor dos bens de equipamento, o governante garantiu que “todas as projeções para os próximos anos apontam para que Portugal continue a crescer acima da média da União Europeia”, lembrando que o que o executivo quer “é que cresça mais”.

Para isso, assegurou, é preciso exportar “mais bens de equipamento e tecnologia de produção” e importar “menos equipamentos para alimentar o nosso esforço empresarial. Então o saldo comercial vai melhorar e o PIB [Produto Interno Bruto] vai crescer”, garantiu.

“Em Portugal fazem-se máquinas e equipamentos e presta-se o serviço à indústria a níveis que são dos mais elevados do mundo”, destacou o governante.

O objetivo do Governo é “assegurar que isso se torna mais notório para as nossas empresas industriais, quando compram bens de equipamento”, disse Pedro Siza Vieira, acrescentando que se pretende “dar melhores condições de competitividade às empresas do setor para que aquilo que é a qualidade dos seus serviços e produtos seja acompanhada de uma maior capacidade de se promoverem e financiar os seus equipamentos”.

A reunião entre as empresas e o Governo irá resultar num “compromisso”, indicou o governante, detalhado que foi debatido em que áreas será possível “crescer mais rapidamente” e que medidas o Estado “pode assegurar para que estas empresas e as industriais possam melhorar a sua ‘performance’ [desempenho]”.

Siza Vieira indicou ainda que o Governo está a estudar como alocar fundos comunitários a esta atividade.

Segundo dados enviados pelo executivo, o setor conta com mais de 29 mil empresas, que empregam quase 187 mil pessoas, sendo que o conteúdo importado de máquinas e equipamentos e material de transporte é acima de 70%.

Segundo os mesmos dados, estes equipamentos “explicam metade do crescimento das importações no período 2015-2019”.

Ler mais

Recomendadas

Ministra do Trabalho: apoio às empresas em ‘lay-off’ diferenciado em função da quebra de faturação

O apoio às empresas em ‘lay-off’ que retomarem a atividade será diferenciado em função da quebra de faturação, com vista a direcionar as ajudas públicas “a quem mais precisa”, afirmou a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, na terça-feira.

Infografia | Sintra e Lisboa lideram no número de novos casos diários

Sintra (45) e Lisboa (39) foram os dois concelhos a nível nacional que registaram mais novos casos confirmados de Covid-19 nas últimas 24 horas. Seguem-se a Amadora e Loures (ambos com 25 casos cada), seguidos por Odivelas (21).

CFP: Impacto de ajuda à TAP nas finanças públicas depende da forma de intervenção

A instituição presidida por Nazaré da Costa Cabral nota que entre os apoios com impacto na dívida pública e eventualmente no saldo orçamental está eventuais injeções de capital que o Estado português possa vir a ter de efetuar em empresas públicas ou participadas.
Comentários