Ministro da Economia rejeita mexidas nos impostos sobre os combustiveis

Antes de abordar medidas definitivas sobre o tema, Siza Vieira assumiu que “gostava de ter mais visibilidade sobre o que vai suceder antes de alterar muito significativamente, não só a estrutura destes impostos, como também toda a estrutura da nossa fiscalidade”. 

Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira | António Cotrim/Lusa

O imposto sobre os combustíveis é um dos que tem mais peso para a receita do Estado, tendo o ministro da Economia evidenciado prudência quando se fala em mexer no ISP (Imposto sobre Produtos Petrolíferos) porque afeta a fiscalidade e toda a estrutura.

Pedro Siza Vieira não afastou a possibilidade do Governo vir a mexer neste imposto específico, em entrevista à “RTP”, dado o crescimento dos preços dos combustíveis nos últimos meses. “Devemos ser prudentes e perceber se isto é uma coisa esporádica e excecional”.

Antes de abordar medidas definitivas sobre o tema, Siza Vieira assumiu que “gostava de ter mais visibilidade sobre o que vai suceder antes de alterar muito significativamente, não só a estrutura destes impostos, como também toda a estrutura da nossa fiscalidade”.

Além das previsões dos economistas, o ministro da Economia mostrou que é importante manter a previsibilidade das trajetórias dos preços”.

Pedro Siza Vieira admitiu que se “pode dizer que isto já dura há uns meses e o crescimento [dos preços] tem sido muito significativo”.

Ao dia de ontem, o preço da gasolina ultimate chegou aos 2,009 euros por litro numa bomba de combustível da BP no distrito de Beja. De relembrar que no espaço de um ano, o preço da gasolina já aumentou 38 vezes (em 42 semanas) e o gasóleo subiu 35 vezes.

Os impostos nacionais pesam 59% no preço da gasolina e 53% no preço do gasóleo, sendo que apenas 30% do valor pago diz respeito ao preço de custo da refinaria. Em termos comparativos com países europeus, Portugal tem a sexta gasolina mais cara da União Europeia e está na sétima posição em termos do diesel.

Recomendadas

CGTP diz que chumbo do OE2022 deve-se a falta de vontade política do Governo

Para a CGTP a proposta do Governo não promovia o necessário crescimento dos salários e pensões, nem maior justiça fiscal, não acabava com a precariedade laboral, nem travava a destruição de postos de trabalho por grandes grupos empresariais, nem sequer promovia contratação coletiva.

Duodécimos limitam execução mensal até à entrada em vigor de novo orçamento

“Durante o período transitório em que se mantiver a prorrogação de vigência da lei do Orçamento do Estado respeitante ao ano anterior, a execução mensal dos programas em curso não pode exceder o duodécimo da despesa total da missão de base orgânica”, pode ler-se na lei de Enquadramento Orçamental atualmente em vigor.

OE2022. ‘Chumbo’ reflete “saturação pelo modelo de governação”, afirma presidente da CAP

Falando à margem da conferência sobre o Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), promovida pelo Fórum para a Competitividade, que hoje decorreu em Lisboa, Eduardo Oliveira e Sousa recebeu sem surpresa o chumbo da proposta orçamental, salientando que os últimos debates na Assembleia da República “foram esclarecedores” relativamente “a uma espécie de saturação que vinha a ser demonstrada sobre o modelo de governação que estava em exercício”.
Comentários