PremiumMinistro do Ambiente: “É importante que Portugal tenha mais de 100 centrais a biomassa”

O ministro do Ambiente João Matos Fernandes, defende a utilização da biomassa em sistemas de produção de calor. Mas não comenta o futuro da central da EDP em Sines.

Depois de o Governo ter tomado a decisão sobre a data limite de funcionamento da central termoelétrica do Pego – que deixará de utilizar carvão depois de 2021 – e sobre a sua eventual reconversão para poder utilizar fontes de energia renováveis, o ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Matos Fernandes, em entrevista ao Jornal Económico – realizada em Lisboa, na abertura da 27ª Conferência e Exibição Europeia da Biomassa EUBCE 2019 – considera que “é mesmo importante” que Portugal tenha “mais de uma centena de pequenas centrais de biomassa, extraordinariamente eficientes, que vão servir para produzir calor para aquecer piscinas, pavilhões gimnodesportivos, ou até bairros pelo país fora”.

Na abertura da conferência, Matos Fernandes referiu que, na sequência de um pedido feito pelo Governo português, a 8 de janeiro de 2018, a Comissão Europeia aprovou um sistema de ajudas estatais que apoia a criação de infraestruturas para unidades de biomassa localizadas na proximidade de áreas florestais consideradas críticas ao nível de riscos de incêndio.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Fim de semana terá chuva e descida das temperaturas

“Devido à passagem de uma superfície frontal fria, no domingo vamos ter chuva e uma descida da temperatura de 3 a 6 graus”, refere o IPMA.

Água nas barragens algarvias dá para abastecer região até final do ano

Empresa responsável pela gestão do sistema municipal do abastecimento de água nos 16 municípios da região indicou que não existem “zonas críticas” de abastecimento às populações, já que a estação elevatória reversível de Loulé permite a “transferência de água de barlavento para sotavento e vice-versa”.

Vítor Gaspar alerta: “Aquecimento global tornou-se uma ameaça clara e presente”

“O aquecimento global tornou-se uma ameaça clara e presente. Ações e compromissos assumidos até agora foram insuficientes. Quanto mais esperarmos, maior a perda de vida e maiores os danos para a economia mundial”, pode ler-se no início do artigo.
Comentários