Ministro do Ambiente visita área ardida em Aljezur

Os trabalhos de beneficiação e de estabilização de emergência em curso incluem intervenções das equipas mecanizadas do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas e da Brigada de Sapadores Florestais da AMAL – Comunidade Intermunicipal do Algarve.

Ministro do Ambiente e da Ação Climática| Foto de Cristina Bernardo

João Pedro Matos Fernandes, ministro do Ambiente e da Ação Climática, visita hoje, dia 30 de junho, os locais onde decorrem ações de estabilização de emergência após o incêndio de Aljezur, Lagos e Vila do Bispo, ocorrido a 19 de junho.

“Na área atingida pelo fogo estão já em curso trabalhos de estabilização de emergência, num perímetro que engloba território dos concelhos de Aljezur, Lagos e Vila do Bispo”, assegura um comunicado do Ministério do Ambiente.

Nesta deslocação, João Pedro Matos Fernandes será acompanhado pelo secretário de Estado da Conservação da Natureza, das Florestas e do Ordenamento do Território, João Catarino.

Os trabalhos de beneficiação e de estabilização de emergência em curso incluem intervenções das equipas mecanizadas do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas e da Brigada de Sapadores Florestais da AMAL – Comunidade Intermunicipal do Algarve.

Após a visita, os governantes reúnem com os presidentes das câmaras municipais de Aljezuer, Vila do Bispo e Lagos.

Recomendadas

Portugal continental regista aumento da seca meteorológica em junho

As regiões do interior norte e centro e a região de Lisboa e Vale do Tejo estão na classe de seca fraca e a região sul encontra-se nas classes de seca fraca e seca moderada.

Governo vai reverter situações “que promovam o recurso a produtos descartáveis” sem necessidade

Face ao aumento do uso de materiais descartáveis à base de plástico, o Ministério do Ambiente esclarece ao Jornal Económico que vai reavaliar os guias de retoma à atividade de alguns setores e manifesta “preocupação pela procura crescente de produtos descartáveis, que pode no futuro vir a converter-se numa questão de saúde pública e ambiental”.
plástico

No Dia Internacional sem Sacos de Plástico, Quercus apela à reutilização

A Quercus destaca que a introdução de uma taxa por cada saco de plástico em Portugal, a partir de 2015, provocou uma forte mudança dos hábitos dos portugueses e que esta medida levou à redução em cerca de 50% no consumo de sacos de plástico nos supermercados.
Comentários