Ministro do Ambiente visita intervenções no terreno para evitar incêndios

João Pedro Matos Fernandes será companhado nesta deslocação ao distrito de Portalegre pelo secretário de Estado da Conservação da Natureza, das Florestas e do Ordenamento do Território.

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, e o secretário de Estado da Conservação da Natureza, das Florestas e do Ordenamento do Território, João Catarino, vão visitar hoje, dia 22 de maio, a partir das 11h30m, os trabalhos de intervenção da rede primária e da rede secundária de faixas de gestão de combustível associadas à rede viária.

A visita de Matos Fernandes vai ocorrer no distrito de Portalegre, para presenciar trabalhos com máquina de rastos do ICNF – Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, no cruzamento entre o Vale Lourenço e São Mamede, assim como trabalhos moto-manuais e com trator borracheiro com a Brigada de Sapadores da Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo, em Teixinha.

Os dois governantes do Ministério do Ambiente vão também visitar os trabalho que estão a ser reaçlizados na Quinta dos Olhos d’Água, em Marvão, onde irão prestar declarações.

Recomendadas

Bruxelas garante “regras rigorosas” nas PPP em defesa de valores europeus

“Estamos a implementar regras rigorosas da UE, em total concordância com os valores da UE. Também estamos a tomar decisões de financiamento, consultando vários ‘stakeholders’ [partes interessadas], sempre colocando no topo da prioridade as necessidades de saúde e ambientais dos cidadãos”, disse à Lusa fonte oficial da CE.

PremiumPedro Moura: “Plataforma de gestão das florestas dá para relançar a economia”

Ex-CEO da Portucel Moçambique e especialista em gestão florestal, Pedro Moura diz que a produção eficiente de 70% do território permitiria criar muitos empregos no interior de Portugal e produzir biomassa para centrais elétricas 100% renováveis.

Portugal teve “evolução positiva” na maioria dos objetivos sustentáveis da ONU desde 2010

O INE esclarece que o balanço apresentado esta sexta-feira não tem ainda em conta a crise pandémica, pelo que os números deverão alterar-se “substancialmente”.
Comentários