PremiumMiranda Sarmento: “O programa económico do PS é confuso, parece um albergue espanhol”

O co-autor do programa económico do PSD diz que o foco no corte da despesa corrente primária visa dar margem de manobra. Acusa o PS de ter um plano vago, confuso e exposto a choques externos.

Vai intervir na apresentação do programa do PSD. Como co-autor do quadro macro-económico, pode explicar as grandes linhas estratégicas para a economia?
O PSD entende que Portugal, sendo uma pequena economia aberta e integrada no espaço europeu, tem de crescer via exportações e investimento, sobretudo do investimento privado. Dentro do investimento privado, dada a alavancagem das empresas, atraindo investimento direto estrangeiro. A política económica do PSD foi moldada para aumentar a competitividade, atrair investimento e proporcionar às empresas condições para exportarem mais. Nesse sentido, temos medidas de redução da carga fiscal e simplificação do sistema fiscal para as empresas, e medidas do lado não-fiscal, de redução de custos de contexto, melhoria da formação profissional, do sistema de justiça, entre outras.

A linha central é que o país precisa de crescer, aumentar o crescimento potencial, que está limitado a 1,5% a 2%, precisa de investimento, de capacidade exportadora, e só esse crescimento é que poderá depois permitir contas públicas estruturalmente equilibradas, uma redução da carga fiscal e uma melhoria dos serviços públicos.

O PSD quer reduzir a carga fiscal ao longo da legislatura, de 34,9% para 33,3% do PIB. Isto é possível numa eventual recessão global?
O contexto internacional tem sempre um impacto muito significativo na evolução da economia portuguesa e nenhum governo está imune a esse contexto. O que é que nós fizemos? Pegámos no cenário de políticas invariantes do Conselho de Finanças Públicas, modelámos as nossas medidas do ponto de vista económico, para ver qual seria o impacto no investimento e nas exportações. Portanto, temos, de facto, no nosso cenário macro um crescimento económico, do ponto de vista real, ligeiramente superior ao que está no Programa de Estabilidade.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

PremiumMinutas da Fed sinalizam ‘tapering’ em novembro

Reserva Federal norte-americana sinalizou início do ‘tapering’ no próximo mês. Inflação pressiona ações. Começou a apresentação de resultados nos Estados Unidos.

PremiumA grande festa do vinho português

Ao fim de um ano de interregno devido à pandemia, regressa este fim-de-semana ao pavilhão 4 da FIL, no Parque das Nações, em Lisboa, a feira Vinhos & Sabores. Prova da grande expectativa em torno deste certame é o facto de já estarem confirmados mais de 300 produtores de todas as regiões do País, para participar nesta grande festa de celebração do vinho português.

PremiumPolitização da Justiça no caso catalão esbarra no Orçamento

Detenção do antigo presidente da autonomia catalã, Carles Puigdemont, desta vez em Itália, vem lembrar que Espanha tem um problema pendente. Mas quando se debate o primeiro Orçamento do Estado pós-pandemia há mais problemas.
Comentários