PremiumMoçambique, o fim do paraíso

Viagem por dois livros que têm Moçambique no seu epicentro: em Cabo Delgado o conflito cujas razões urge identificar, na ilha de Moçambique o tempo reparador que ajuda a refletir.

Entre nós, Moçambique é quase desconhecido, se não mesmo ignorado. Apesar da longa relação histórica entre as duas nações, este país da costa oriental africana é remotamente conhecido e apenas na sua versão mais exótica. Praias extensas de areia fina e águas límpidas a par do Parque Nacional da Gorongosa vendem esse produto turístico chamado Moçambique. Essa informação turística baseia-se numa perspetiva exótica do país que, em simultâneo, se baseia na oferta de praias paradisíacas e na possibilidade de contactar com essa natureza estranha e indomável. A história e o património ficam relegados para um nicho de mercado mais ligado ao turismo cultural e, sobretudo, centrado na Ilha de Moçambique, antiga capital da então província colonial. Contudo, a dificuldade em lá chegar torna esta ilha mais atraente para intelectuais e estudiosos do que propriamente para o viajante comum.

Resumidamente, aos olhos do português comum, Moçambique é isto e pouco mais. A diversidade étnica e cultural, a história recente, exceção feita à guerra colonial para as gerações mais velhas, a gastronomia, os desafios políticos e sociais são algo estranho aos olhos e ouvidos portugueses, apesar de uma história comum até há escassas quatro décadas e meia atrás.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumJoão Duque: “Procura deve ser mais dirigida para arrendamentos de longo prazo”

Economistas acreditam que se os preços e as rendas das habitações se ajustarem, o mercado poderá “animar”. Teletrabalho pode levar as empresas a libertarem espaços para arrendamento habitacional.

PremiumExtrema-direita ao assalto da direita em Espanha

Vox liderou moção de censura ao governo de coligação PSOE-Podemos. Derrotada à partida, foi uma autêntica ‘rasteira’ à direita tradicional do PP. As suas consequências na política espanhola são imprevisíveis.

PremiumCEO da Somague: “Nós, empresas portuguesas, respeitamos os nossos concorrentes”

Eduardo Campos Pozuelo conseguiu reduzir a dívida da construtora do Grupo Sacyr de 200 para 45 milhões de euros em menos de três anos.
Comentários