PremiumMontepio Crédito defende CFEI para capitalizar empresas

Pedro Gouveia Alves realça que este instrumento de crédito fiscal já deu provas positivas em 2014. Autonomia financeira do setor ronda apenas os 20%.

O Montepio Crédito (MC)defende o recurso ao instrumento do CFEI – Crédito Fiscal Extraordinário de Apoio ao Investimento, criado em 2014, como uma das vias para proporcionar às empresas do setor nacional do transporte rodoviário de mercadorias o reforço dos respetivos graus de capitalização, possibilitando o incremento dos seus níveis de autonomia financeira e a renovação das frotas de veículos pesados. A ideia foi avançada por Pedro Gouveia Alves, presidente do MC, na passada segunda-feira, dia 1 de junho, durante a web conference “Logística e Transportes: Preparar o Futuro”, organizada pela instituição de crédito e pelo Jornal Económico, com transmissão na plataforma multimédia JE TV.

“Na realidade, o CFEI – Crédito Fiscal Extraordinário de Apoio ao Investimento pode ser mais uma medida, a adicionar a outras medidas de gestão de tesouraria, neste caso, em concreto, de capitalização das empresas, para podermos melhorar a nossa performance enquanto cluster e, portanto, da economia”, advogou Pedro Gouveia Alves. O presidente do MC realçou na ocasião que o setor nacional do transporte rodoviário de mercadorias, constituído por um universo de cerca de oito mil empresas na atualidade, enferma de uma limitação, que não é exclusiva deste setor.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumEmpresas nacionais brilham nas tecnologias da educação

JP Inspiring Knowledge, Bi-Bright e ubbu têm uma palavra a dizer na ‘virtualeduca.connect’, que decorre de 21 a 23 de julho, sob o signo do futuro.

Setor dos recursos minerais otimista na recuperação da atividade

A preservativa de evolução da liquidez é mais otimista face ao mês de abril, apesar de 33% estimar um impacto negativo de 20% a 40% na liquidez.

Companhia aérea Emirates planeia eliminar até 9 mil postos de trabalho

Antes do início da pandemia da covid-19, a companhia aérea contava com 60.000 funcionários e, em 31 de maio, anunciou despedimentos, apesar de não especificar quantos seriam.
Comentários