PremiumMontepio negoceia venda do Finibanco Angola à Arise

A Arise Holding está a negociar a compra do Finibanco Angola ao Banco Montepio. O passo seguinte pode passar por uma fusão com o BNI Angola. O Montepio quer desconsolidar o banco angolano até ao fim do ano.

O Banco Montepio tem o compromisso de fazer a desconsolidação do Finibanco Angola ao longo deste ano, e por isso está já em negociações com uma entidade angolana com vista a uma venda ou fusão, soube o Jornal Económico. Segundo fontes familiarizadas com o assunto, a negociação em curso passa por uma venda à sociedade financeira Arise. Mas esse pode ser apenas um passo prévio à operação seguinte, que seria uma fusão do Finibanco Angola com o BNI Angola.

As conversas têm envolvido Mário Palhares, o presidente do conselho de administração do BNI, revelam fontes próximas do mercado financeiro angolano. Mário Palhares é acionista de ambas as instituições. Isto, depois de em 2015 ter adquirido cerca de 30% do Finibanco Angola por 22 milhões de euros. O Banco Montepio tem 81,57%  do Finibanco Angola. Confrontado, o banco português não comenta.

A operação ainda está numa fase inicial e por isso estão em aberto várias possibilidades, sendo que, fontes próximas do processo disseram ao JE que a operação pode ou não incluir novos parceiros. As negociações são já do conhecimento das autoridades angolanas, revelam as mesmas fontes.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Amazon: ações podem chegar aos três mil dólares nos próximos dois anos, estima Bloomberg

A avaliação de três mil dólares por título implica uma capitalização bolsista de 1,47 mil milhões de dólares (1,31 mil milhões de euros).

Santander lança bolsas para países ibero-americanos

São 210 bolsas de mobilidade destinadas a estudantes, professores e investigadores.

Premium“Multibanco grátis traz custos para a sociedade”

Estudo do Banco de Portugal revelou que utilização do numerário representou 0,57% do PIB de 2017. Visa defende pagamentos eletrónicos.
Comentários