Montepio vende 580,6 milhões de euros de crédito malparado

A operação foi a primeira titularização realizada em Portugal de uma carteira de créditos em incumprimento com atribuição de uma notação de risco.

Cristina Bernardo

A Caixa Económica Montepio Geral colocou no mercado uma carteira de créditos em incumprimento no valor total de 580,57 milhões de euros. A operação de titularização de créditos, conhecida por Evora Finance, foi realizada através da Caixa Montepio Évora e teve como agente colocador a gestora de ativos JP Morgan.

“Através da transação Evora Finance NPL, foram alienados 20.169 contratos com um valor médio por contrato de 28.786 euros”, referiu o banco em comunicado. “A colocação em mercado das tranches equity e mezzanine ficou concluída no dia 3 de novembro”.

A Moody’s e a DBRS atribuíram nível de investimento à operação, que foi a primeira titularização realizada em Portugal de uma carteira de créditos em incumprimento com atribuição de uma notação de risco. As agências de notação financeira atribuíram um rating à tranche sénior  de Baa3 e BBB, respetivamente.

Segundo a JP Morgan, a securitização, que se insere no processo de redução dos ativos não estratégicos da CEMG previsto no respetivo Plano Estratégico 2016-18, mostra que os bancos portugueses estão prontos para limpar ativos.

Relacionadas

Montepio pôs créditos da Casa da Sorte à venda

O banco pôs à venda os créditos vencidos da Casa da Sorte no valor de 21,5 milhões. Apareceram três entidades na corrida. Uma delas foi excluída por suspeita de acesso a informação privilegiada.

Montepio regista lucro de 20,4 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano

Lucro até setembro compara com prejuízos de 67,5 milhões de euros em igual período de 2016. O produto bancário core aumenta 15,0% atingindo 285,9 milhões, com a margem financeira a subir 13,3% e as comissões 19,3%. O aumento da margem financeira e das comissões ajudaram à melhoria do resultado líquido nos primeiros nove meses de 2017.

Montepio: DBRS mantém ratings mas altera perspetiva para negativa

“A alteração da tendência para negativa reflete os receios da DBRS em relação ao fraco perfil de financiamento do banco, na sequência de algumas saídas de depósitos no primeiro trimestre de 2017”, diz a agência que alerta ainda para o elevado peso dos ativos improdutivos no balanço do Montepio.
Recomendadas

PremiumEugénio Rosa: “A substituição da administração do Banco Montepio é necessária”

“Sou totalmente contra uma administração que caia de paraquedas no Banco Montepio”, defende Eugénio Rosa, líder da lista C, candidata às eleição dos órgãos associativos do Montepio Geral.

PremiumPedro Corte-Real: “Há garantias do primeiro-ministro que o Montepio ia ser apoiado”

Pedro Corte-Real, que lidera a lista B para a presidência da Associação Mutualista Montepio Geral, defende que o Estado deve ajudar o Banco Montepio e diz que “esse apoio ainda não foi dado por falta de credibilidade das direções”.

Goldman Sachs quer aumentar diversidade étnica e de género nas cotadas do S&P 500 e do FTSE 100

A Goldman Sachs Asset Management diz que quer estar na vanguarda para impulsionar uma maior diversidade e inclusão nos conselhos de administração em todo o mundo.
Comentários