Moody’s mantém ‘rating’ de Portugal inalterado

Agência norte-americana não se pronunciou sobre a notação da dívida soberana portuguesa, que se mantém em ‘Baa3’ e perspetiva ‘positiva’. Tal como na primeira avaliação do ano passado, a Moody’s atualizou apenas o calendário indicativo da próxima avaliação, marcada para 17 de julho.

A Moody’s manteve esta sexta-feira a notação da dívida soberana portuguesa inalterada em ‘Baa3’ e outlook ‘estável’, optando por não publicar um relatório. Apesar de ter uma avaliação agendada, o calendário das agências de notação financeira é apenas indicativo e estas podem optar por não se pronunciarem.

Na última avaliação em agosto, a agência norte-americana manteve o rating de Portugal em ‘Baa3’, mas subiu o outlook de ‘estável’ para positivo. Nessa altura, a Moody’s destacou a queda contínua e mais celére do que esperado do peso da dívida pública e a possibilidade de mais melhorias na saúde do setor bancário do país.

A Moody’s foi a última das principais agências a retirar Portugal do patamar de ‘lixo’, em outubro de 2018, quando subiu o ‘outlook’ para a dívida soberana portuguesa para o nível Baa3, com perspetiva estável, justificando com o crescimento económico do país e com a diminuição do nível de endividamento.

Em fevereiro do ano passado também decidiu não mexer na avaliação da dívida soberana, optando por não publicar nenhum relatório, mas em agosto melhorou o outlook.

A última agência a pronunciar-se sobre Portugal foi a Fitch, em novembro, tendo mantido o rating inalterado em ‘BBB’ e perspetiva positiva. Estão agendadas novas avaliações pela Standard and Poor’s a 13 de março e a pela DBRS a 20 de março, terminando a primeira ronda de avaliações com a Fitch, a 22 de maio. A Moody’s tem uma nova avaliação agendada para 17 de julho.

(Atualizado às 21h48)

Ler mais

Recomendadas

Avaliação da ‘performance’ de uma estratégia de investimento

O retorno de uma estratégia de investimento tem sempre de ser ajustado ao risco incorrido. Esta é a primeira consideração de uma avaliação.

Do ministério das Finanças para governador do Banco de Portugal? “Já houve três precedentes, todos do PSD”

As passagens diretas entre o Terreiro do Paço e o supervisor bancário aconteceram durante os governos de Cavaco Silva, recordou Marques Mendes que garante que Mário Centeno vai assumir o cargo de governador ainda este ano. Dos três nomeados, apenas Miguel Beleza era ministro.

PremiumMargarida Marques: “A última coisa que queremos é um conflito institucional”

Correlatora para o Quadro Financeiro Plurianual 2021-2027 diz que o Parlamento Europeu não terá problemas em rejeitar proposta do Conselho Europeu, mas espera avanços após cimeira extraordinária.
Comentários