Moody’s melhora ‘outlook’ da REN de “estável” para “positivo”

A decisão da agência face aos ‘ratings’ tem em conta a estratégia da empresa para o período compreendido entre 2021 e 2024, bem como a expectativa de que a REN mantenha um “perfil financeiro sólido”.

A agência de notação financeira Moody’s alterou o outlook (perspetiva) da REN e da sua subsidiária REN Finance de “estável” para “positivo”, tendo em conta as medidas tomadas para assegurar o plano de investimentos da empresa.

“A Moody’s Investors Service mudou hoje o ‘outlook’ da REN — Redes Energéticas nacionais e da sua subsidiária financeira REN Finance B.V. de estável para positivo”, lê-se numa nota da agência de notação financeira.

Por outro lado, firmou em “Baa3” (um nível acima de ‘lixo’) os ‘ratings’ (avaliações) ‘long-term issuer’, ‘senior unsecured’, ‘senior unsecured MTN program’, bem como o ‘backed sénior unsecured’ e o ‘backed sénior unsecured MTN program’.

A decisão da agência face aos ‘ratings’ tem em conta a estratégia da empresa para o período compreendido entre 2021 e 2024, bem como a expectativa de que a REN mantenha um “perfil financeiro sólido”.

Por outro lado, reflete o baixo perfil de risco do monopólio das atividades de energia em Portugal e uma estrutura regulatória “relativamente bem estabelecida e transparente” sob a qual as tarifas são fixadas.

Já a mudança da perspetiva para “positiva” é sustentada pelas medidas para financiar, parcialmente, o programa de investimentos da empresa, que inclui a revisão da política de dividendos e acordos com produtores de energias renováveis.

A Moody’s espera ainda que a REN beneficie de uma redução contínua do custo da dívida.

Recomendadas

O principal desafio para o sector das pescas é tecnológico

O presidente da Associação dos Armadores de Pesca Industrial diz que a frota precisa de um salto tecnológico que a União Europeia deveria impor e apoiar quanto antes.

Desenvolvimento tecnológico vai marcar segurança privada

Na lista das 10 tendências identificadas pela associação norte-americana de segurança, e que constam do seu último relatório, todas têm uma base tecnológica e metade respeitam a esta integração entre vídeo e software, com destaque para as ferramentas de reconhecimento facial.

PremiumMário Palhares: “BNI e Finibanco Angola continuam empenhados em encontrar uma solução”

O processo de venda do Finibanco Angola a Mário Palhares do Banco BNI, acordado em 2015, acabou. Mas o CEO do banco angolano garante ao JE que o BNI e o Finibanco continuam empenhados em encontrar uma solução.
Comentários