Medina Carreira: o fiscalista que trabalhou na fundição de aço

Passou duas vezes pelo Governo, apoiou a candidatura de Cavaco Silva e era um crítico das finanças públicas portuguesas. Medina Carreira morreu esta segunda-feira num hospital em Lisboa, vitima de doença prolongada. Tinha 85 anos.

Youtube

Depois de ter saído dos Pupilos do Exército, aos 20 anos, e de ter concluído o bacharelaro em Engenharia Mecânica, Medina Carreira, ex-ministro das Finanças e fiscalista, andava à procura de um emprego. Encontrou-o na CUF do Barreiro, onde trabalhou na fundição de aço. Desempenhou esta tarefa durante três anos e dali levou ensinamentos para a vida.

A pontualidade, a disciplina e a necessidade de ser “desenrascado” foram características que o seguiram desde sempre. No plano político, exerceu o cargo de Subsecretário de Estado do Orçamento, durante o VI Governo Provisório (1975-1976), o qual deixou de exercer para assumir, logo de seguida, as funções de Ministro das Finanças do I Governo Constitucional (1976-1978).

Em 1978 abandona o PS, por divergências quanto à política económica adotada pelo partido no poder. Em 2006 apoiou publicamente a candidatura de Aníbal Cavaco Silva à Presidência da República.

Desempenhou ainda outras funções, como as de membro do Conselho Superior dos Tribunais Administrativo ou vogal do Conselho de Administração da Expo’98.

Nascido em Bissau, capital da Guiné, a 14 de Janeiro de 1931, filho de António Barbosa Carreira, historiador, e de Carmen Medina Carreira. Casou duas vezes e deixa uma filha, Paula, do primeiro casamento.
Nos últimos anos era a referência do programa “Olhos nos Olhos” emitido pela TVI 24.

Relacionadas

Morreu Medina Carreira

Henrique Medina Carreira, morreu esta segunda-feira num hospital em Lisboa, vitima de doença prolongada. Tinha 85 anos.

António Nogueira Leite elogia a independência e seriedade de Medina Carreira

“Medina Carreira vai fazer muita falta” diz ao Jornal Económico António Nogueira Leite com quem partilhava a direção do Fórum para a Competitividade.
Recomendadas

Contribuintes que ganham mais de mil euros continuam a reter IRS a mais, diz a PwC

A atualização das tabelas de retenção para 2019 continua a não refletir integralmente o alargamento dos escalões do IRS de 2018 para a generalidade dos trabalhadores e pensionistas com rendimento a partir de mil euros, segundo os cálculos da PwC.

FMI indica três passos para evitar uma crise de dívida pública

O artigo publicado hoje no IMFBlog, o Fundo Monetário Internacional (FMI) afirma que “a sustentabilidade da dívida de alguns países de alto risco tem sido objeto de muito debate público”, mas, no entanto, “o peso da dívida pública é um problema crescente em todo o mundo”.

Luís Pedro Martins eleito para mandato de 5 anos na Turismo Porto e Norte de Portugal

De acordo com os atuais estatutos da TPNP, o mandato da comissão executiva tem a duração de cinco anos e só pode ser renovado uma vez.
Comentários