Morreu Miguel Geraldes, antigo diretor da Euronext

O antigo diretor de mercados da Euronext e atual sócio da Optimal morreu este sábado aos 53 anos, vítima de doença prolongada.

O antigo diretor de mercados da Euronext e atual sócio da Optimal Miguel Geraldes morreu este sábado aos 53 anos, vítima de doença prolongada.

Miguel Geraldes deixa uma carreira de mais de 25 anos ligada aos mercados internacionais. Começou como trader na Bolsa de Valores de Lisboa, em 1992, depois de ter concluído uma licenciatura em Gestão no Instituto Superior de Línguas e Administração. Passou por diversos cargos, até chegar a líder da área de mercados, em 2000.

Miguel Geraldes desempenhou um papel destacado na dinamização da bolsa portuguesa ao longo dos anos e chegou a ser apontado para possível presidente da Euronext Lisbon, mas tal acabou por não acontecer.

Em julho de 2016, decidiu deixar a bolsa nacional para cumprir um novo desafio profissional, como sócio fundador da ’boutique’ financeira Optimal Investments, juntamente com Jorge Tomé, Luís Tenente, José Maria Ricciardi e Rafael Valverde. A consultora, que tem uma parceria com o grupo espanhol Arcano, dedica-se à assessoria financeira em áreas como reestruturações e fusões e aquisições. O aumento de capital da Megafin, empresa proprietária do Jornal Económico, em 2018,  foi uma das operações conduzidas pela Optimal, com uma equipa de que fazia parte Miguel Geraldes.

O velório tem lugar este domingo a partir das 17:00 e as cerimónias fúnebres estão marcadas para segunda-feira, às 10:00, na Basílica da Estrela, em Lisboa.

Aos familiares e amigos de Miguel Geraldes, o Jornal Económico apresenta sentidas condolências.

Ler mais
Recomendadas

José Mourinho é o novo treinador do Tottenham

O português vai treinar o clube de Londres, o terceiro emblema inglês da sua carreira. José Mourinho regressa à Premier League depois de a ter conquistado por três vezes com o Chelsea.

Greta Thunberg vai ao parlamento português entre final do mês e início de dezembro

Há uma semana, os deputados da comissão parlamentar de Ambiente aprovaram, por unanimidade, a proposta para a vinda da ativista sueca a Portugal.
Comentários