Morsi, antigo presidente do Egito, morre em tribunal

O antigo presidente do Egipto Mohammed Morsi, acusado de espionagem, morreu em tribunal, avança a televisão pública egípcia.

Mohamed Morsi, presidente do Egito entre junho de 2012 e julho de 2013, morreu esta segunda-feira em plena sala de tribunal. A informação foi avançada pela televisão pública do Egito.

Derrubado do poder em 2013, Morsi, da Irmandade Muçulmana foi condenado à morte em 2015, mas a sentença foi revogada por um tribunal superior em 2016. De acordo com a BBC, estava agora a ser julgado num novo processo, por crimes de espionagem.

Morsi tinha 67 anos e subiu ao poder em 2011, sucedendo a Hosni Mubarak. Segundo os meios de comunicação egípcios, terá sofrido um ataque cardíaco. Segundo o seu filho, Ahmed Morsi, o antigo chefe de estado estaria a enfrentar vários problemas de saúde que foram “ignorados” pelas autoridades.

Com o voto de 11 milhões de egípcios, Morsi tornara-se em 2012 o primeiro presidente eleito democraticamente, após a queda do regime de  Mubarak. No entanto, o golpe militar que destituiu Morsi ocorreu depois de milhões de pessoas se terem manifestado durante dias nas ruas acusando-o de estar a concentrar o poder nas mãos de islamitas, arruinando a economia e ameaçando as aspirações de liberdade da Primavera Árabe.

Recomendadas

Banco central baixa previsão sobre queda da economia brasileira para 5%

As novas estimativas estão em linha com as projeções de agentes do mercado consultados semanalmente pelo Banco Central, que prevê uma retração económica de 5,05% no PIB brasileiro em 2020. O Brasil ainda recupera de uma grave recessão entre os anos de 2015 e 2016, período em que o PIB caiu sete pontos percentuais.

Rússia anuncia que vai cooperar com o Irão

O ministro das Relações Exteriores russo disse que o seu país iniciará imediatamente a cooperação com o Irão assim que o embargo sobre a venda de armas expirar – o que acontecerá em outubro.

Angola: Manuel Vicente denuncia manobra de diversão

O ex-vice-presidente de Angola Manuel Vicente negou ter-se apropriado de 193 milhões de euros da Sonangol, como denunciou o antigo gestor de Isabel dos Santos, e apelida a acusação de “indecorosa manobra de diversão”.
Comentários