Morsi, antigo presidente do Egito, morre em tribunal

O antigo presidente do Egipto Mohammed Morsi, acusado de espionagem, morreu em tribunal, avança a televisão pública egípcia.

Mohamed Morsi, presidente do Egito entre junho de 2012 e julho de 2013, morreu esta segunda-feira em plena sala de tribunal. A informação foi avançada pela televisão pública do Egito.

Derrubado do poder em 2013, Morsi, da Irmandade Muçulmana foi condenado à morte em 2015, mas a sentença foi revogada por um tribunal superior em 2016. De acordo com a BBC, estava agora a ser julgado num novo processo, por crimes de espionagem.

Morsi tinha 67 anos e subiu ao poder em 2011, sucedendo a Hosni Mubarak. Segundo os meios de comunicação egípcios, terá sofrido um ataque cardíaco. Segundo o seu filho, Ahmed Morsi, o antigo chefe de estado estaria a enfrentar vários problemas de saúde que foram “ignorados” pelas autoridades.

Com o voto de 11 milhões de egípcios, Morsi tornara-se em 2012 o primeiro presidente eleito democraticamente, após a queda do regime de  Mubarak. No entanto, o golpe militar que destituiu Morsi ocorreu depois de milhões de pessoas se terem manifestado durante dias nas ruas acusando-o de estar a concentrar o poder nas mãos de islamitas, arruinando a economia e ameaçando as aspirações de liberdade da Primavera Árabe.

Recomendadas

Novo Presidente argentino quer agenda ambiciosa com o Brasil, para além da tensão com Jair Bolsonaro

O Presidente da Argentina, Alberto Fernández, destacou esta terça-feira no Brasil no seu discurso de posse no parlamento e pediu uma “agenda ambiciosa” apoiada pela história dos dois povos e não pela “diferença pessoal” com o seu homólogo brasileiro, Jair Bolsonaro.

Boris Johnson admite risco de falhar maioria absoluta nas eleições legislativas

Johnson aludiu às eleições de 2017, quando a antecessora Theresa May tinha uma vantagem nas sondagens mas acabou por não conseguir uma maioria de deputados na Câmara dos Comuns, precisando do apoio do Partido Democrata Unionista (DUP) da Irlanda do Norte para formar governo.

Boris Johnson recria cena da porta do filme “O amor acontece”. Hugh Grant já criticou vídeo

Na nova versão, o primeiro-ministro britânico pede o voto ao seu eleitorado para que o Reino Unido consiga avançar no processo do Brexit. Hugh Grant, que entrou no filme, já criticou o filme.
Comentários