Mota-Engil e BCP deixam PSI 20 no ‘vermelho’ no fim da sessão

Praça lisboeta terminou a sessão a descer 0,53%, para 4.099,97 pontos nesta quarta-feira, contrariando a tendências das suas congéneres europeias.

O principal índice bolsista português, PSI 20, fechou a sessão desta quarta-feira a desvalorizar 0,47%, para 4.429,37 pontos, contrariando a tendência das suas congéneres europeias.

A fazer descer o PSI 20 estão entre as principais cotadas portuguesas a Mota-Engil que cai 3,48%, para 1,11 euros, o BCP que desce 1,52%, para 0,08 euros e a petrolífera Galp Energia que desvaloriza 2,83%, para 8,31 euros.

Em terreno negativo encontram-se também a Corticeira Amorim que cai 3,31%, para 10,52 euros, a Altri que perde 1,51%, para 3,91 euros a Navigator que deprecia 2,09%, para 2,15 euros e a Semapa que desce 1,83%, para 7,51 euros.

A negociar com sinal ‘verde’ no fecho da sessão estiveram a EDP que sobe 1,77%, para 4,18 euros, os CTT que crescem 0,63%, para 2,41 euros e a Jerónimo Martins que valoriza 0,73%, para 13,85 euros.

“As bolsas europeias encerraram em alta, em contraciclo com o sentimento que se vive em Nova Iorque. Isto apesar da revelação preliminar de que a atividade terciária na Zona Euro contraiu inesperadamente em setembro, ofuscando o bom desempenho industrial” afirma Ramiro Loureiro, analista de mercados do Millenium investment banking.

Na Alemanha, o DAX cresce 0,33%, no Reino Unido, o FTSE 100 sobe 1,21%, o francês CAC 40 valoriza 0,62%, o holandês AEX cresce 0,91%. Em Espanha, o IBEX35 valoriza 0,16% e o italiano FTSE MIB sobe 0,04%.

A cotação do barril de Brent desvaloriza 0,14%, com valor de 41,66 dólares, enquanto a cotação do crude WTI desce 0,08%, para 39,77 dólares por barril.

No mercado cambial o euro desvaloriza 0,26%, para 1,16 dólares.

Ler mais

Recomendadas

Bolsa portuguesa impulsionada por Jerónimo Martins, EDP e EDP Renováveis

O PSI 20 acompanha o sentimento otimista das principais praças europeias.

‘Falcões’ vs ‘pombas’ no BCE. Lagarde vai dar sinal forte, mas tensões devem adiar estímulos

O banco central da zona euro está novamente dividido entre os que querem mais estimulos já e os que preferem aguardar. Christine Lagarde tem espaço de manobra e deverá aguardar até dezembro, quando tiver novas projeções e melhor visão sobre riscos politicos. A mensagem de hoje deverá ser, portanto, de promessa de agir face ao aumento de riscos.

Bolsa de São Paulo cai 4,25% com novas restrições na Europa face à pandemia

A bolsa paulista registou assim a sua quarta queda consecutiva, enquanto o dólar norte-americano continua a subir e hoje valorizou 1,31%, fechando a sua cotação em 5,75 reais (0,85 cêntimos de euro) para compra e venda.
Comentários