Mota-Engil sobe mais de 5% mas não segura PSI-20

Os principais índices europeus fecharam mistos esta quarta-feira, perante a contínua incerteza associada ao Brexit. Lisboa fechou em queda.

O mercado nacional fechou em ligeira baixa, apesar da forte valorização das ações da Mota-Engil (+5,39% para 1,935 euros).

A subida das ações deve-se a uma notícia da agência Bloomberg que dá conta que a China Communications Construction Co (CCCC) está a avaliar a compra de 30% da Mota-Engil, expandindo internacionalmente o seu negócio. Esta notícia não teve uma confirmação oficial.

Por outro lado, a empresa anunciou a assinatura de novos contratos nas Honduras, em Angola e no México, no valor total de 450 milhões de euros, representativos de 9% da carteira total da empresa no 1º semestre do ano e 10% da carteira da construção. Adicionalmente, o grupo deu a conhecer a assinatura de um contrato de mineração na Guiné-Conacri, o qual totaliza cerca de 220 milhões e terá uma duração estimada de 6 anos e 9 meses.

A F. Ramada seguiu-se nas subidas ao valorizar +2,75% para 5,980 euros sendo depois acompanhada pela Corticeira Amorim (+1,78% para 11,460 euros).

O BCP (+0,55% para 0,2020 euros) e a Galp (+0,17% para 14,955 euros) também contribuíram favoravelmente para o mercado.

Pelo contrário, a Jerónimo Martins foi o pior performer do mercado (-1,56% para 14,480 euros). Isto depois da retalhista informar que vai aumentar os salários dos colaboradores que tem na Polónia a trabalhar para a cadeia Biedronka.

A EDP Renováveis e a EDP também fecharam em queda. A EDPR caiu -1,18% para 10,08 euros. Já a EDP desceu 1,02% para os 3,7750 euros.

A Semapa deslizou -1,43% para 13,80 euros; a Sonae Capital (-1,28%); e a Pharol recuou -1,17%.

Os principais índices europeus fecharam mistos esta quarta-feira, perante a contínua incerteza associada ao Brexit.

A dar algum conforto está a melhoria do sentimento empresarial na Alemanha, com destaque para a subida do indicador que mede as expectativas para os próximos 6 meses.

Em termos macroeconómicos, o índice Ifo na Alemanha revelou que a confiança dos empresários melhorou mais do que o esperado em dezembro, atingindo o máximo dos últimos 6 meses. Este índice subiu para 96,3 em dezembro, face à leitura de 95,1 em novembro, superando as expectativas dos economistas de 95,5.

No entanto o alemão Dax caiu 0,49% para 13.222,16 pontos.

O EuroStoxx 50 caiu 0,063% para 3.742,93 pontos. A FTSE 100 de Londres subiu 0,21% para 7.540,75 pontos. O CAC 40 caiu 0,15% para 5.959,60 pontos. O IBEX ganhou 0,061% para 9.621,80 pontos e o FTSE MIB desceu 0,0080% para 23.628,87 pontos.

“A par do acordo entre os EUA e a China no âmbito da guerra comercial, o alívio dos investidores sobre a economia global tem ajudado os índices a valorizarem”, revelou o analista da Mtrader que adianta que o novo corte de projeções por parte da FedEx é um dos destaques do dia e que penaliza empresas como a Deutsche Post, Bpost e PostNL.

No setor automóvel, o grupo PSA e Fiat-Chrysler confirmaram a fusão em partes iguais O CEO da nova empresa será Carlos Tavares, o atual responsável pela Peugeot.

O petróleo subiu 0,08% para 66,15 dólares no mercado de Londres.

A dívida alemã a 10 anos agravou 4,6 pontos base para -0,249%. A dívida portuguesa subiu 3,9 pontos base para 0,393% e os espanhóis viram a dívida subir 3,7 pontos base para 0,43% e Itália agravou 6,5 pontos base para 1,338%.

O euro caiu 0,30% para 1,1117 dólares.

Ler mais

Recomendadas

Wall Street fecha semana no verde com perspetiva de estímulo à economia a sobrepor-se à fraca criação de emprego

Apesar dos fracos números da criação de emprego em novembro, os mercados animaram-se com as declarações de Nancy Pelosi sobre um possível acordo bipartidário para um pacote de estímulos à economia americana, isto depois do líder do Senado ter admitido o mesmo na quinta-feira.

Bolsa de Lisboa fecha em alta numa sessão animada em toda a Europa

Galp dispara mais de 5% com subida do preço do petróleo, após o anúncio de um acordo da OPEP+ em suavizar os aumentos previstos de produção de crude. O BCP fechou em alta de mais de 2% e já está acima dos 12 cêntimos.

Vencedor de concurso da Católica Porto Investment Club alerta que CBDC são “questão de segurança nacional”

Nuno Loureiro, vencedor do concurso Champion Chip 2020, organizado pela Católica Porto Investment Club, alerta que a infraestrutura tecnológica que suporta moedas digitais emitidas por um banco central (CBDC) poderão ser alvo de ataques cibernéticos de outros Estados.
Comentários