Motoristas avançam com greve ao trabalho suplementar no início de setembro

O sindicato dos motoristas de matérias perigosas vai entregar hoje o pré-aviso de greve ao trabalho suplementar, após não chegarem a acordo com os patrões. “O único regime em que as pessoas podem fazer trabalho suplementar sem receberem é a Coreia do Norte”, disse Pardal Henriques.

pedro-pardal-henriques
António Pedro Santos / Lusa

O Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) vai apresentar hoje um pré-aviso de greve ao trabalho suplementar. A paragem vai avançar daqui a duas semanas e terá um tempo definido.

“O plenário mandatou-nos para caso os mínimos legais não fossem aceites nesta reunião que pudéssemos apresentar um pré-aviso de greve ao trabalho suplementar”, disse o vice-presidente do SNMMP na terça-feira, 20 de agosto, na SIC Notícias.

Pedro Pardal Henriques revelou que o pré-aviso de greve vai ser apresentado esta quarta-feira, 21 de agosto, após reunião da direção de um sindicato.

“Vamos cumprir as datas legais de um pré-aviso de greve. Poderá avançar esta greve daqui a duas semanas. Faremos [a greve] com tempo definido”, avançou.

Sobre o fim das negociações entre o SNMMP  e a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM), Pardal Henriques afirmou que o sindicato não pode “aceitar ilegalidades”.

“Cedemos em toda a linha, mas não podemos aceitar ilegalidades. Estes trabalhadores não podem sujeitar-se com recebimentos por baixo da mesa e horas que não são pagas. Aquilo que pedimos que ficasse garantido era apenas o cumprimento da lei, que estas pessoas não trabalhariam de graça”, afirmou.

“Há dois princípios que têm de ficar assentes: não aceitamos pagamentos por baixo da mesa e não aceitamos que estas pessoas trabalhem 15 horas e recebam o mesmo que fazendo oito horas”, destacou o vice-presidente do sindicato.

Em relação ao motivo que levou ao cancelamento das negociações, Pardal Henriques explicou que uma das razões deveu-se a uma divergência sobre o aumento em 50 euros para um total de 175 euros mensais do pagamento de um subsídio. “Um aumento de 50 euros a um prémio que teria que ser obrigatoriamente tributado e que contasse para a reforma destas pessoas, que contasse para a baixa”.

“O que há de concreto em valores são 50 euros para 800 motoristas. Cedemos em tudo: nos valores para 2021 e para 2022, ficaram estes 50 euros por se exporem ao risco”, explicou.

Segundo Pardal Henriques, inicialmente o sindicato exigiu 250 euros por mês para o subsídio ADR – devido ao manuseamento de matérias perigosas -, mas recuou para os 175 euros, que não foram aceites.

Outra das razões para as negociações terem sido canceladas foi o não pagamento de horas extraordinárias. “O país já viu que oito horas de trabalho [dos motoristas de matérias perigosas não chegam]. O único regime em que as pessoas podem fazer trabalho suplementar sem receberem é a Coreia do Norte”.

“As pessoas são profissionais. Não podem estar a trabalhar gratuitamente, não são estagiários que trabalham sete, nove ou 10 horas por dia durante alguns meses sem serem remunerados”, sublinhou.

“É ponto assente que a legislação tem que ser cumprida para todos, não podemos aceitar que estas pessoas sejam prejudicadas com pagamentos por baixo da mesa e trabalho gratuito”, defendeu Pardal Henriques.

Motoristas e patrões não chegam a acordo. Governo diz que tentou resolver conflito pelo diálogo

Ler mais
Relacionadas

Motoristas e patrões não chegam a acordo. Governo diz que tentou resolver conflito pelo diálogo

“Obviamente que não esperávamos este desfecho”, admitiu o ministro das Infraestruturas e Habitação, Pedro Nuno Santos. O governante disse esta terça-feira que uma das partes quis definir resultados antes da negociação.

Antram: “O sindicato dos motoristas de matérias perigosas recusa mediação”

O porta-voz da associação patronal, André Matias de Almeida, afirma que os motoristas de matérias perigosas querem “impor à cabeça aumentos”. “Não é assim que os processos se passam”, disse.

Reunião do Governo com sindicato dos motoristas decorre há cerca de quatro horas

O Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias desvinculou-se da greve ao quarto dia, na quinta-feira à noite, e vai regressar às negociações com o patronato em 12 de setembro.

Marinho Pinto: “O Governo tem gostado muito das lutas sindicais da CGTP e da UGT. São lutas muito educadas, muito disciplinadas”

O líder do PDR criticou a atuação do Governo de António Costa durante a greve dos motoristas de matérias perigosas.
Recomendadas

PremiumPSD remete alterações ao OE para depois de eleições internas

Propostas dos sociais-democratas só dão entrada no Parlamento a partir da próxima semana. Direção de Rui Rio chama a si proposta de redução do IVA da eletricidade por ter “relevo político nacional”.

PremiumCarlos Zorrinho: “OE foi muito tático na forma como foi discutido e votado”

Eurodeputado eleito pelo PS entende que as abstenções do BE, PCP, PEV e Livre mostram vontade de continuar a negociar com o Governo. E defende uma transição digital e energética “mais justa” e concorda com propostas de redução do IVA da eletricidade.

“Este governo tem um problema que é a imprevisibilidade”

João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, à Antena1/Jornal de Negócios, diz que “este governo tem um problema que é a imprevisibilidade”, uma vez que não há acordo com os partidos à esquerda e por isso não se sabe que posição vão tomar.
Comentários