PremiumMotoristas de carga geral admitem greve que “irá parar o país”

Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias revelou ao JE que será o próximo a avançar para a greve, caso a ANTRAM não acolha reivindicações.

O país arrisca ficar paralisado nas próximas semanas com uma nova greve dos motoristas de carga geral que afirmam estar solidários com os motoristas de matérias perigosas que esta semana iniciaram uma greve por tempo indeterminado, que levou o Governo a decretar o estado de crise energética. A possibilidade de nova greve foi revelada ao Jornal Económico pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), que critica o poder político de ceder perante a Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM), os donos das transportadoras rodoviárias de mercadorias, e os lobbies económicos.

“Se a postura da ANTRAM não se alterar, o SIMM será o próximo sindicato a avançar para uma greve”, revelou ao Jornal Económico Anacleto Rodrigues, porta-voz do sindicato que conta com mais de 800 associados e que sinaliza agora a possibilidade de nova greve de motoristas que abrangerá toda a tipologia de transportes de carga geral, desde o frio (produtos frescos como legumes e frutas), passando pelas lonas (água, cerveja, leite e outro tipo de alimentos) até aos contentores (congelados, por exemplo).

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Só com o PS é possível manter o equilíbrio na governação – António Costa

De acordo com o primeiro-ministro, nos últimos três anos e meio, os compromissos assumidos “foram cumpridos, porque palavra dada tem sido sempre palavra honrada”.

Paulo Rangel pede voto bem cedo para impedir “legitimação” de Costa

Segundo Rangel, o que António Costa procura nas eleições europeias é tentar “um plebiscito à moda napoleónica ou cesarista” para conseguir a sua “legitimação” a nível nacional já que, disse, até hoje o primeiro-ministro “nunca foi capaz de ganhar uma eleição”.

Eleições podem iniciar alteração do mapa político à esquerda em Portugal – Marisa Matias

Para Marisa Matias, “não importa fazer campanhas” se é para os candidatos se ouvirem uns aos outros e “não ouvir as pessoas e não falar daquilo” que é os leva até elas.
Comentários