Motoristas de combustíveis arrancam hoje com greve. Abastecimento nos postos em risco?

Os motoristas de matérias perigosas entraram hoje em greve por tempo indeterminado. Apesar de serem obrigados a cumprir serviços mínimos, o sindicato impugnou esta obrigação. A greve tem uma adesão de 100%, segundo o sindicato.

O Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) iniciou uma greve a partir da meia-noite desta segunda-feira, 15 de abril. A paragem vai ter uma duração indeterminada e poderá colocar em risco o abastecimento de combustíveis.

Os motoristas exigem o reconhecimento desta categoria profissional específica e já impugnaram juridicamente os serviços mínimos decretados pelo Governo. A greve regista uma adesão de 100%, com concentrações em Aveiras, no Barreiro, em Sines e Matosinhos, segundo um balanço feito pela agência Lusa.

O Governo decretou serviços mínimos para esta greve que deverão assegurar o “abastecimento de combustíveis aos hospitais, bases aéreas, bombeiros, portos e aeroportos, nas mesmas condições em que o devem assegurar em dias em que não haja greve”.

Simultaneamente, também deve ser garantido o “abastecimento de combustíveis aos postos de abastecimento da grande Lisboa e do grande Porto, tendo por referência 40% das operações asseguradas em dias em que não haja greve”.

Segundo o despacho conjunto dos ministérios do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social e do Ambiente e da Transição Energética, os trabalhadores necessários para assegurar os serviços mínimos têm de ser designados pelo SNMMP “até 24 horas antes do início da greve”. Caso o SNMPP não o realize, devem ser as empresas a proceder a essa designação.

Estes camionistas também devem assegurar o “transporte estritamente indispensável com as restantes unidades e instalações dos sistemas industriais das áreas de Sines e de Matosinhos associados às refinarias da Petrogal, de forma a garantir o funcionamento estável das suas unidades à carga mínima, de acordo com os respetivos manuais de operação, de forma a evitar riscos para a segurança dos equipamentos e instalações e impactos ambientais”.

 

Ao mesmo tempo, os camionistas também ficam obrigados ao transporte de cargas necessárias nas refinarias e nos parques – como a CLC – Companhia Logística de Combustíveis, em Aveiras de Cima -, “nos casos em que a acumulação de stocks de produtos refinados imponha o funcionamento das unidades em regimes abaixo dos respetivos mínimos técnicos, de acordo com os manuais de operação”.

Ler mais
Recomendadas

Boris Johnson diz que Brexit sem acordo é “a última opção”

Com o início da campanha para assumir o lugar que os sapatos irreverentes que May deixam, Boris Johnson assumiu que não descarta um acordo com os parceiros europeus mas que o objetivo “não é chegar a um final mas sim a um acordo”.

Caixa: Homem que “enfeitiçou” Berardo “só podia ser José Sócrates”, diz ex-gestor do BCP

Quando José Berardo se preparava, em 2007, para reforçar da sua posição no BCP para 7% com um empréstimo da CGD para investir cerca de 400 milhões em ações, o empresário terá dito ao antigo administrador do banco privado, Filipe Pinhal: “Ainda estou para saber como é que aquele homem me enfeitiçou e deu-me a volta”.

CPI à CGD: “Seria altamente improvável que ajudasse Berardo a ter mais votos para me destituir”, diz Filipe Pinhal

Ex-administrador do BCP está a ser ouvido na comissão parlamentar de inquérito à gestão da Caixa depois de José Berardo ter dito aos deputados que foi Filipe Pinhal que lhe sugeriu fazer um crédito na CGD. Pinhal assegura que está fora de questão que um administrador que José Berardo quis afastar da administração do BCP o fosse ajudar a aumentar o seu ‘poder de voto’.
Comentários