Motoristas recusam cumprir serviços mínimos

“Vem o senhor ministro dizer que há 11 pessoas detidas e 13 que andam foragidas. Nós não aceitamos, e estes homens, em solidariedade com os seus colegas, porque também são verdadeiros vencedores e guerreiros, ninguém vai sair daqui”, afirmou Pedro Pardal Henriques esta quarta-feira de manhã.

pedro-pardal-henriques-SNMMP
António Pedro Santos / Lusa

O vice-presidente e porta-voz dos motoristas de matérias perigosas disse esta quarta-feira que os trabalhadores não vão cumprir serviços mínimos nem a requisição civil.

“Vem o senhor ministro dizer que há 11 pessoas detidas e 13 que andam foragidas. Nós não aceitamos, e estes homens, em solidariedade com os seus colegas, porque também são verdadeiros vencedores e guerreiros, ninguém vai sair daqui hoje. Ninguém vai cumprir nem serviços mínimos nem requisição civil, não vão fazer absolutamente nada”, explicou Pedro Pardal Henriques, em declarações proferidas esta manhã aos jornalistas.

A decisão surge depois de o ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, ter referido, ontem à noite, que 14 trabalhadores não cumpriram a requisição civil decretada pelo Governo na greve, sendo que onze desses motoristas já tinham sido identificados para ser detidos e restava encontrar os restantes três.

O ainda assessor jurídico Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) denunciou também o desprezo que estes trabalhadores estarão a sofrer, criticando os “pedófilos soltos na rua com pulseira eletrónica”. “Estes colegas estão aqui revoltados, aqui e nos outros piquetes de greve. Estão cansados de ser gozados e ameaçados pelas empresas e cansados de ver claramente o Governo do lado de quem tem tem pevaricado ao longo deste tempo todo e de quem tem cometido esta fraude fiscal. O Governo está do lado dessas pessoas e contra estes trabalhadores”, referiu Pedro Pardal Henriques, em Aveiras de Cima.

Aos meios de comunicação presentes no local, o porta-voz do SNMMP adiantou que os motoristas se recusam “veementemente” a trabalhar, apesar de terem consciência de que poderão estar a cometer um crime. “Mas também têm consciência de que se um dos colegas for preso, então, vão também”, acrescentou Pedro Pardal Henriques.

Relacionadas

Matos Fernandes: “14 trabalhadores não cumpriram requisição civil”

Ministro do Ambiente e da Transição Energética fez um ponto de situação relativamente à requisição civil decretada na segunda-feira. Onze destes camionistas já foram notificados e os restantes três continuam por localizar.
Recomendadas

Açores dá incentivo financeiro para quem fizer teste ao vírus antes de visitar região 

A medida destina-se a todos os passageiros provenientes de zonas de transmissão comunitária ativa ou com cadeias de transmissão local ativas, adiantou Vasco Cordeiro.

Espanha regista mais de 10 mil infeções e 241 mortes por Covid-19 num dia

Madrid continua a ser a comunidade autónoma com o maior número de infeções, tendo registado mais 3.652 casos do que o número notificado na segunda-feira.

Covid-19: Equipas multidisciplinares de Lisboa e Vale do Tejo contactaram mais de 12.800 pessoas

São mais de 12.800 contactos nos concelhos da Amadora, Lisboa, Loures, Odivelas, Sintra, Almada, Seixal, às quais se juntaram as equipas de Sintra, Oeiras e Arrábida. Profissionais da Saúde, Segurança Social, Proteção Civil/Municípios e forças de segurança têm ido ao terreno sensibilizar a população para as medidas de prevenção da doença.
Comentários