Motoristas: Sindicato aceita nova mediação mas base de entendimento tem de ser aceite

O porta-voz do sindicato de motoristas de matérias perigosas disse este sábado ver com agrado a disponibilidade da associação das empresas para integrar um processo de mediação, mas ressalvou ser necessário que a base de entendimento já debatida seja aceite.

pardal_henriques_sindicato_nacional_dos_motoristas
Mário Cruz/Lusa

“Registamos com agrado o facto de a Antram [Associação de Transportadores Rodoviários de Mercadorias] querer iniciar este processo de mediação, mas não é suficiente esta vontade, é preciso demonstrar que há realmente vontade e que não é apenas uma farsa, aceitando a base de entendimento que negociámos ontem com o Governo”, disse à Lusa Pedro Pardal Henriques.

A Antram anunciou hoje estar disponível para integrar um processo de mediação junto da Direcção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho.

“A Antram pretende demonstrar de uma forma ainda mais firme o seu inequívoco propósito de chegar a um acordo com todos os trabalhadores do setor e, nessa medida, mostra a sua total disponibilidade para integrar um processo de mediação junto da DGERT (Direcção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho)”, refere em comunicado hoje divulgado.

“É convicção desta associação que um processo de mediação, realizado em clima de paz, poderá conduzir à solução do problema”, acrescenta a direcção da Antram no mesmo comunicado.

“Esse processo de mediação foi aquele que foi iniciado ontem [na sexta-feira]”, considerou à Lusa o porta-voz do sindicato.

“Ficámos ali 10 horas para chegar a uma base de entendimento” e “a resposta da Antram foi clara: não quer negociar, não quer mediar”, criticou Pardal Henriques.

“Acho que ontem [na sexta-feira] ficou bem claro que a Antram não quer negociar nem com greve nem sem greve, porque nós dissemos que suspendíamos uns dias de greve se a Antram comparecesse às negociações e a resposta foi ‘não aceitamos’”, adiantou o porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP).

A associação patronal tinha recusado na quinta-feira entrar num processo de mediação do Governo, sustentando que só voltaria à mesa das negociações se o sindicato das matérias perigosas desconvocar a greve.

No entanto, a direcção da Antram diz este sábado, no mesmo comunicado, que não ficou indiferente ao apelo que o primeiro-ministro fez para que o SNMMP e a associação das empresas de transportes se entendam e terminem a greve.

Na quinta-feira, António Costa saudou o Sindicato Independente de Motoristas de Mercadorias por ter desconvocado a greve e iniciar as negociações com a associação patronal.

A direcção da Antram refere ainda que apresentou, no Ministério das Infraestruturas e Habitação, uma proposta “que permitirá colocar os trabalhadores daquele sindicato em condições idênticas aos trabalhadores afectos à Fectrans e ao Sindicato Independente dos Motoristas de Mercados (SIMM).

“Não obstante essa proposta não ter merecido aceitação por parte dos dirigentes do SNMMP, acreditamos que a mesma ainda possa vir a ser aceite no plenário que aquele sindicato irá realizar amanhã [domingo], 18 de agosto de 2019”, sublinha a direcção.

Os motoristas de matérias perigosas cumprem hoje o sexto dia de uma greve convocada por tempo indeterminado, depois de ter falhado um acordo mediado pelo Governo numa reunião que durou cerca de 10 horas.

A falta de acordo foi comunicada pelo porta-voz do sindicato de motoristas de matérias perigosas e, posteriormente, confirmada pela Antram e pelo ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos.

“Trabalhámos em conjunto com o senhor ministro uma proposta que seria razoável para desbloquear a situação. A Antram rejeitou a proposta e a greve mantém-se”, afirmou à agência Lusa o representante do SNMMP no final da reunião.

A greve começou na segunda-feira, 12 de Agosto, por tempo indeterminado, para reivindicar junto da Antram o cumprimento do acordo assinado em maio, que prevê uma progressão salarial.

A paralisação foi inicialmente convocada pelo SNMMP e pelo SIMM, mas este sindicato desconvocou o protesto na quinta-feira à noite, após um encontro com a Antram sob mediação do Governo.

No final do primeiro dia de greve, o Governo decretou uma requisição civil, parcial e gradual, alegando incumprimento dos serviços mínimos que tinha determinado.

Ler mais
Relacionadas

Porta-voz da Antram: “Aceitaremos negociar e vamos dar esse passo”

André Matias de Almeida, porta-voz da Antram, disse que a contra-proposta apresentada pelo SNMMP nas negociações que decorreram entre sexta-feira e este sábado representa o “maior aumento da história desde o 25 de abril”. “Estes empregadores estão no limite e vamos para o terceiro ano em decréscimo dos resultados, 40% acima do que foi acordado com os outros sindicatos”, disse.

Ministro do Ambiente: “todos os trabalhadores estão a cumprir os serviços mínimos e a requisição civil”

Em conferência de imprensa realizada este sábado, João Pedro Matos Fernandes, ministro do Ambiente e da Transição energética revelou que, desde sexta-feira, se assistiu a uma melhoria dos ‘stocks’ de combustível. Situação será reavaliada na segunda-feira de manhã com Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna.

Governo tem “forte expectativa” de acordo entre patrões e sindicato dos motoristas

O Ministro do Ambiente e Transição Energética afirmou este sábado ter a “forte expectativa” de que “venha a ser celebrado rapidamente” o acordo entre patrões e o sindicato de motoristas de matérias perigosas, “para que a greve possa acabar”.
Recomendadas

Brexit: Barnier pede que não se subestime consequências de saída sem acordo

“Porque é que o ‘backstop’ é fundamental para todos nós? Porque é na Irlanda que o ‘Brexit’ causa mais problemas e riscos. É o único local onde o Reino Unido tem uma fronteira terrestre com a UE. O motivo da nossa insistência não é ideológico, é pragmático”, argumentou Barnier.

Risco de de Brexit sem acordo é “muito real”, avisa Juncker

A seis semanas da data de saída, 31 de outubro, Juncker disse que Boris Johnson mantém a sua posição de sair da União Europeia, com ou sem acordo.

Brexit: Juncker recorda a Johnson que cabe ao Reino Unido apresentar propostas

O presidente Juncker sublinhou a permanente disponibilidade e abertura da Comissão para examinar se essas propostas correspondem aos objetivos do ‘backstop’”.
Comentários