Movimento Zero cancela vigílias nos aeroportos e entra em “reflexão”

O Movimento Zero, um movimento social inorgânico criado em maio de 2019 e que na manifestação das forças policiais realizada em novembro do ano passado foi bastante visível, alega ainda que “a sociedade portuguesa está também pouco recetiva a uma cidadania ativa” e não esconde que “o sentimento é de que afinal os polícias estão bem, e os poucos que lutam é que estão mal”.

O Movimento Zero, formado por elementos policiais da PSP e da GNR, cancelou as ações de protesto nos aeroportos nacionais e encerrou temporariamente o ‘site’ para um período de reflexão, indica um comunicado.

“O Movimento Zero dá por terminada a vigília nos aeroportos nacionais. Ficou demonstrado neste protesto que há homens e mulheres de grande fibra nas instituições PSP e GNR, mas há também uma grande lacuna no corporativismo saudável”, lê-se na nota colocada na página oficial do movimento inorgânico de apoio às profissionais das forças de segurança.

Na segunda-feira, o Movimento Zero (M0) concentrou cerca de 100 manifestantes junto ao Aeroporto de Lisboa, num protesto silencioso, enquanto no Porto, em Faro e no Funchal, a vigília teve menos adesão.

O Movimento Zero, um movimento social inorgânico criado em maio de 2019 e que na manifestação das forças policiais realizada em novembro do ano passado foi bastante visível, alega ainda que “a sociedade portuguesa está também pouco recetiva a uma cidadania ativa” e não esconde que “o sentimento é de que afinal os polícias estão bem, e os poucos que lutam é que estão mal”.

Assim, as comunicações entre os elementos do movimento ficam encerradas até 01 de fevereiro, sendo o período “usado para ponderação e reflexão individual”.

Recomendadas

PGR vai alargar a todo o país projeto-piloto contra violência no desporto

A Procuradoria Geral da República diz que desde setembro foram aplicadas 54 interdições de acesso a recinto desportivo.

Covid-19: setores têxtil, vestuário e calçado preocupado com eventual prolongamento da crise

O presidente da Anivec referiu que “mais de 85% de toda a roupa consumida na Europa provém da Ásia, o que quer dizer que a Europa está refém da Ásia”.
Comentários