Mulheres ao poder na Etiópia. As novas presidentes da República e do Supremo Tribunal

A diplomata Sahle-Work Zewde e a advogada Meaza Ashenafi são as primeiras mulheres de sempre a assumir a presidência da República e do Supremo Tribunal Federal da Etiópia, respetivamente. “A marcha da Etiópia rumo à paridade de género em posições-chave de liderança prossegue de forma incansável”, enalteceu o chefe de gabinete do primeiro-ministro.

No dia 25 de outubro de 2018, Sahle-Work Zewde foi nomeada como presidente da Etiópia, a primeira mulher de sempre a assumir esse cargo (não executivo). Aos 68 anos de idade, a diplomata de carreira foi eleita por unanimidade nas duas câmaras da Assembleia Parlamentar Federal da Etiópia, substituindo assim o demissionário Mulatu Teshome. Cerca de uma semana antes da nomeação de Zewde, o primeiro-ministro Abiy Ahmed remodelou a composição do Governo, diminuindo o número de ministérios (de 28 para 20) e assegurando uma estrita igualdade de género: 10 ministros e 10 ministras. A Etiópia tornou-se assim o segundo país africano a implementar a paridade de género entre os membros do Governo, seguindo o exemplo pioneiro do Ruanda.

“Eu sou produto de pessoas que lutaram pela igualdade e liberdade política neste país e vou trabalhar arduamente para os servir. Se pensavam que já falei muito sobre mulheres, saibam que estava apenas a começa”, declarou Zewde no dia da eleição, perante os representantes parlamentares etíopes. “Se a presente mudança em curso na Etiópia for liderada por homens e mulheres em igualdade, poderá manter o seu ímpeto e realizar uma Etiópia próspera, livre de discriminação religiosa, étnica ou de género”, sublinhou a nova presidente. Mudança que não se cingiu ao Governo e à Presidência da República. No dia 1 de novembro, a advogada Meaza Ashenafi, feminista, especializada em direitos humanos, foi nomeada como presidente do Supremo Tribunal Federal da Etiópia.

O chefe de gabinete do primeiro-ministro, Fitsum Arega, enalteceu as nomeações de Zewde e de Ashenafi, através de publicações na rede social Twitter. “Numa sociedade patriarcal como a nossa, a nomeação de uma mulher como chefe de Estado não só estabelece o padrão para o futuro como também normaliza a tomada de decisões por mulheres na vida pública”, escreveu sobre Zewde. “A marcha da Etiópia rumo à paridade de género em posições-chave de liderança prossegue de forma incansável”, salientou em relação a Ashenafi.

Nascida na capital Adis Abeba, Zewde é uma das mais experientes diplomatas da Etiópia, tendo representado o país como embaixadora no Senegal, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Gâmbia e França. Posteriormente foi representante permanente na União Africana e na Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), diretora-geral de Assuntos Africanos no Ministério dos Negócios Estrangeiros da Etiópia, representante especial do secretário-geral da Organização das Unidas (ONU) Ban Ki-moon e chefe da Missão Internacional de Apoio à República Centro-Africana, entre outras funções. Mais recentemente, em junho deste ano, o atual secretário-geral da ONU, António Guterres, nomeou Zewde como representante especial na União Africana e chefe do gabinete da ONU na mesma União Africana, cargo equiparado a sub-secretária-geral da ONU (também foi a primeira mulher a exercer tais funções).

Por sua vez, Ashenafi era conselheira em questões de género e direitos das mulheres na Comissão Económica da ONU para a África, sediada em Adis Abeba. Fundou a Associação de Mulheres Advogadas Etíopes (a qual providencia ajuda legal a mulheres pobres e foi pioneira na defesa, proteção e advocacia dos direitos das mulheres) e trabalhou como juíza em tribunais superiores. Como advogada, uma das mais prestigiadas do país, dedicou-se sobretudo à proteção legal das mulheres, à promoção dos direitos humanos e à mediação financeira a favor das mulheres. Também participou na conceção da atual Constituição da Etiópia, como conselheira de direitos humanos. “Ela traz um historial de competência e experiência relevante para o cargo”, salientou o chefe de gabinete do primeiro-ministro etíope.

Ler mais
Recomendadas

Partido de Evo Morales procura candidatos de consenso às presidenciais na Bolívia

O partido do ex-presidente da Bolívia Evo Morales revelou que irá procurar candidatos de consenso para as próximas eleições presidenciais e irá tomar mais tempo a consultar as bases, depois de uma reunião falhada na escolha de potenciais candidatos.

Ucrânia e FMI chegam a acordo para empréstimo de cinco mil milhões de euros

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, anunciou que a organização financeira alcançou um acordo com as autoridades da Ucrânia para um empréstimo de cinco mil milhões de euros em três anos.

Diretor de centro social teme agitação em caso de novo referendo no Reino Unido

O diretor de um centro comunitário na cidade inglesa de Hartlepool, uma das mais pobres do Reino Unido e onde quase 70% dos eleitores votaram ‘Brexit’, teme que um segundo referendo provoque agitação civil no país.
Comentários