Multinacionais querem uma “via verde” para o recurso ao ‘lay-off’ alegando a falta de componente, alertam sindicatos (com áudio)

Federação Intersindical alerta que são contraditórias as razões que estão na origem da falta de componentes destinados ao sector automóvel, à eletrónica de consumo e à produção de material elétrico. Fiequimetal pede a “rápida intervenção” do Governo para travar que uma  medida extraordinária, como é o lay-off, se torne numa espécie de “via verde” para as multinacionais.

No final do ano passado, a administração da Autoeuropa anunciou a intenção de avançar unilateralmente com um novo horário que prevê o trabalho aos sábados, após a rejeição de dois pré-acordos negociados previamente com duas Comissões de Trabalhadores. Esta decisão foi contestada pela CT e pelos sindicatos.

A Federação Intersindical alerta que são contraditórias as razões que estão na origem da falta de componentes destinados ao sector automóvel, à eletrónica de consumo e à produção de material elétrico. Fiequimetal pede a “rápida intervenção” do Governo para travar que uma  medida extraordinária, como é o lay-off, se torne numa espécie de “via verde” para as multinacionais.

“Os motivos do problema vão desde dificuldades de abastecimento à especulação dos preços pelos grandes fornecedores”, diz a Fiequimetal.

A Federação Intersindical Fiequimetal alerta que são contraditórias as razões que estão na origem da falta de componentes destinados ao sector automóvel, à eletrónica de consumo e à produção de material elétrico. E defende que as medidas de resposta não podem recair sobre os trabalhadores, nomeadamente pelo recurso ao lay-off, o que, diz, penaliza os salários e o orçamento da Segurança Social.

“Os motivos do problema vão desde dificuldades de abastecimento à especulação dos preços pelos grandes fornecedores”, defende a Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgicas, Química, Farmacêutica, eléctrica, Energia e Minas (Fiequimetal).

Para esta federação intersindical “independentemente das razões que assistem a este problema, a Fiequimetal defende que as medidas de resposta não podem recair sobre os trabalhadores, seja por via do recurso ao lay-off (que penaliza os salários e o orçamento da Segurança Social), seja pelo aproveitamento que o patronato procura fazer, para recusar aumentos de salários”.

Sindicatos dão conta de que a existência de perturbações no fornecimento de componentes “não pode ser motivo para que multinacionais como a Bosch, a Fico Cables, a Apico ou a Continental Mabor, entre outras, usem e abusem do lay-off, quando se admite que o problema da falta de componentes reside numa guerra entre empresas”.

“Perante qualquer tentativa de aproveitamento patronal, seguindo uma linha que procura tornar normal o recurso a uma medida extraordinária, como é o lay-off, a Fiequimetal exige a rápida intervenção do Governo, no sentido de evitar situações de aproveitamento dos recursos da Segurança Social”, frisa.

Recomendadas

Transição verde requer apoios nos planos nacionais

O objetivo de atingir uma economia europeia neutra em emissões de carbono até 2050 exige a inclusão do sector dos transportes nos planos nacionais de recuperação, advoga um consórcio do ramo, dada a forte inovação e modernização necessárias.

G7 comprometem-se em fornecer mais de mil milhões de doses de vacinas anti-Covid

O objetivo será um de fornecer doses aos países mais desfavorecidos cujo o acesso às vacinas seja mais difícil. Distribuição deverá acontecer até ao próximo ano.

Crise e dois orçamentos marcam primeiro ano de João Leão à frente das Finanças

Em junho de 2020, o então secretário de Estado do Orçamento era um governante discreto, nome pouco conhecido da opinião pública, quando foi escolhido para ministro das Finanças.
Comentários