Mundial, dia 3: Messi também falha e o VAR, afinal, funciona

Messi falhou (uma grande penalidade) pela terceira vez ao serviço da seleção e pela primeira vez num jogo oficial da Argentina. Há momentos em que, como demonstrou Cristiano Ronaldo no dia anterior, o fundamental é manter a frieza e não vacilar. Desta vez, Messi não foi capaz.

O futebol não é apenas habilidade técnica, também se faz de capacidade mental. Messi confirmou-0 a partir da marca de grande penalidade. ‘Bastaria’ um remate colocado, como já tantas vezes fez na vida, e a Argentina passava para a frente, derrubando o muro de gladiadores islandeses apoiados pelas suas alegres gentes. Mas o guarda-redes Halldórsson esticou-se e defendeu. Messi falhou pela terceira vez ao serviço da seleção e pela primeira vez num jogo oficial. Há momentos em que, como demonstrou Cristiano Ronaldo no dia anterior, o fundamental é manter a frieza e não vacilar. Desta vez, Messi não foi capaz. A sua candidatura ao prémio de ‘melhor do mundo’ para a FIFA (do ano em curso) sai beliscada depois da primeira ronda russa.
No jogo em que o veterano Mascherano passou a ser o mais internacional de sempre pela Argentina (144 jogos), outra constatação: a equipa é muito mais dependente de Messi que Portugal de Cristiano Ronaldo. E não tem a capacidade de circulação de bola da Espanha ou do Brasil. Faz impressão ver Dybala de fora e a ‘revelação’ Meza a titular. Di Maria também já teve melhores dias. Por tudo isso, e pela capacidade de luta demonstrada, a Islândia mereceu escapar à derrota na sua estreia num Mundial.
No jogo anterior (França, 2-Austrália, 1), outra verificação importante: o VAR, que deixou passar a falta de Diego Costa sobre Pepe, afinal funciona. Detectou uma grande penalidade e um golo! Óptimo. Oxalá se mantenha assim, a cuidar da verdade do jogo.
A França conseguiu os três pontos mas sentiu dificuldades. Teve de substituir Griezmann e Dembelé. O futebol físico parece bloquear a equipa, que não tem um líder criativo. Kanté dá referência e equilíbrio. Pogba junta o músculo. Tollisso não convence. Falta algo. Percebeu-se o recente empate com os EUA, no último jogo de preparação.
A Croácia, eliminada do Euro’2016 por Portugal, volta com a sua equipa carregada de estrelas – Modric, Perisic, Rakitic, Mandzukic, etc. – e de maturidade. Passará, com certeza, esta fase de grupos e será sempre um adversário difícil para qualquer, porque também sabe combater. Isso foi essencial perante a agressiva equipa da Nigéria (2-0).
O outro jogo foi desinteressante. Ganhou a Dinamarca (1-0), mas poderia ter sido ao contrário. O Peru falhou uma grande penalidade em dia cheio delas: cinco. Interessante a forma de Carrillo, que foi o melhor da sua equipa. Se continuar assim, vai render bom dinheiro ao Benfica.

Recomendadas

A Administração Interna

A equipa do MAI é experiente e competente. Distingo, porque nem sempre experiência significa competência. É, também, uma equipa difícil de gerir atendendo às ambições e egos de alguns dos seus integrantes. Grande parte dos erros cometidos são, também, da equipa ou de parte dela.

Uma sentença na China, mas um setor com potencial

Se as grandes empresas, i.e. os empregadores mais exigentes, começam a dispensar os típicos cursos superiores e a favorecer cursos profissionais mais rápidos e práticos, porque não hão de outras empresas começar a fazer o mesmo?

Aula de formatação das consciências

A disciplina de Cidadania e Desenvolvimento suscita divisão entre aqueles que aprovam um guião escolar das consciências e aqueles que reconhecem o carácter discutível e ideológico de alguns dos seus conteúdos.
Comentários