Município do Funchal garante continuar a apoiar famílias no próximo Orçamento Municipal

Idalina Perestrelo enumerou uma série de medidas que o Município já pôs em prática no que diz respeito ao apoio às famílias, mais precisamente em matéria de natalidade, bolsas de estudo, apoio aos manuais escolares, como também o apoio aos medicamentos e ao arrendamento.

A Vice-Presidente da Câmara Municipal do Funchal (CMF), Idalina Perestrelo, garantiu, esta quinta-feira, após a Reunião de Câmara, que o Município vai continuar a apoiar as famílias no próximo Orçamento Municipal.

“Votar a favor deste Orçamento é votar a favor de todas as famílias que vivem e usufruem do nosso Município”, afirmou, acrescentando que este é o maior Orçamento Municipal de sempre.

Idalina Perestrelo enumerou uma série de medidas que o Município já pôs em prática no que diz respeito ao apoio às famílias, mais precisamente em matéria de natalidade, bolsas de estudo, apoio aos manuais escolares, como também o apoio aos medicamentos e ao arrendamento.

“Esse trabalho também se tem traduzido no que diz respeito à baixa do IMI e à devolução do IRS aos funchalenses”, conclui a governante, referindo, nesse sentido, o Prémio das Famílias Familiarmente Responsáveis, que o Município vai receber por parte da Associação das Famílias Numerosas.

O prémio visa distinguir o trabalho realizado pela CMF quer no que diz respeito à parte económica das famílias, quer no que diz respeito à qualidade de vida das mesmas.

Recomendadas

Governo da Madeira assina memorando com representantes de táxis

O memorando prevê um apoio financeiro no valor equivalente a um IAS por cada trabalhador (438,81 euros), incluindo gerentes e sócios-gerentes.

Madeira deve alocar 40 milhões de euros para estragos provocados pelo temporal de 25 de dezembro

A ‘reposição e reconstrução da rede viária regional’ e ‘reposição, reconstrução e melhoria da rede hidrológica regional’ são as rubricas com um custo previsto mais elevado, que está calculado em 17,8 e 15,9 milhões de euros.

Madeira: PS reivindica revisão da Lei das Finanças Regionais e do Estatuto Político Administrativo

Com a revisão da Lei das Finanças Regionais e do Estatuto Político Administrativo o PS pretende alterar a fórmula de cálculo do fundo de coesão, de modo a que a região tenha acesso a mais verbas do Estado.
Comentários