Municípios têm até junho para comunicar se querem ou não descentralização de competências na educação

O Executivo de António Costa decidiu prolongar o prazo por mais dois meses, tendo agora as autarquias até 30 de junho para se pronunciarem junto da Direção-Geral das Autarquias Locais.

Pedro Nunes/Reuters

O Governo alargou o prazo dado às 278 câmaras municipais do Continente para comunicarem se querem ou não aceitar a descentralização de competências na área da educação. O Executivo de António Costa decidiu prolongar o prazo por mais dois meses, tendo agora as autarquias até 30 de junho para se pronunciarem junto da Direção-Geral das Autarquias Locais.

A alteração foi anunciada esta segunda-feira num decreto-lei publicado em Diário da República. Onde antes se lia que as câmaras tinham até 30 de abril para comunicar à Direção-Geral das Autarquias Locais se queriam ou não as competências na área da educação que transitam do Estado Central, lê-se agora que as autarquias podem fazê-lo até à data limite de 30 de junho deste ano.

O diploma de transferência de competências na área da educação foi aprovado a 8 de novembro em Conselho de Ministros, com a intenção de que “os municípios passem a gerir os equipamentos e o pessoal não docente a partir do próximo ano letivo [2019/2020]”. Em causa estão 1.000 escolas, mais de 3.500 edifícios e cerca de 43 mil trabalhadores que passam a estar sob a esfera municipal.

A transferência “concretiza um modelo de administração e gestão do sistema educativo que respeita a integridade do serviço público de educação, a equidade territorial e a solidariedade intermunicipal e inter-regional no planeamento das ofertas educativas e formativas e na afetação dos recursos públicos”, notou o Ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, em conferência de imprensa, após a aprovação deste diploma setorial de descentralização.

As novas competências incluem “o investimento, equipamento e manutenção de edifícios escolares, alargadas a todo o ensino básico e secundário; o fornecimento de refeições nos estabelecimentos do 2.º e 3.º ciclo do ensino básico e do ensino secundário, gerido pelos municípios”, bem como “o recrutamento, seleção e gestão do pessoal não docente, transferindo-se o vínculo do Ministério da Educação para os municípios; e o reforço das competência do Conselho Municipal de Educação”.

O Governo prevê, de acordo com os valores de 2018, que sejam transferidos 800 milhões de euros de recursos que hoje são geridos pela Administração Central.

Ler mais
Recomendadas

PremiumMarcelo vai à China captar investimento e desafiar ordem global

Presidente da República vai ao Fórum “Faixa e Rota”, depois de ter apoiado formalmente a iniciativa chinesa de unir a Ásia à Europa. EUA e potências ocidentais temem intenção expansionista do rival.

Presidente do Supremo Tribunal pode receber mais 600 euros mensais do que o primeiro-ministro

Os salários dos magistrados têm um limite salarial máximo que os impede de ganhar mais do que o primeiro-ministro, mas, caso a revisão do estatuto proposta pelo PS venha a ser aprovada, termina este impedimento salarial.

Parlamento vota hoje projetos de resolução sobre Programa de Estabilidade

No debate do Programa de Estabilidade, na quarta-feira, os partidos de esquerda criticaram duramente o plano orçamental para o período 2019-2023, mas é esperado que ajudem a chumbar a rejeição do PSD e CDS aos programas.
Comentários