Municípios têm até junho para comunicar se querem ou não descentralização de competências na educação

O Executivo de António Costa decidiu prolongar o prazo por mais dois meses, tendo agora as autarquias até 30 de junho para se pronunciarem junto da Direção-Geral das Autarquias Locais.

Pedro Nunes/Reuters

O Governo alargou o prazo dado às 278 câmaras municipais do Continente para comunicarem se querem ou não aceitar a descentralização de competências na área da educação. O Executivo de António Costa decidiu prolongar o prazo por mais dois meses, tendo agora as autarquias até 30 de junho para se pronunciarem junto da Direção-Geral das Autarquias Locais.

A alteração foi anunciada esta segunda-feira num decreto-lei publicado em Diário da República. Onde antes se lia que as câmaras tinham até 30 de abril para comunicar à Direção-Geral das Autarquias Locais se queriam ou não as competências na área da educação que transitam do Estado Central, lê-se agora que as autarquias podem fazê-lo até à data limite de 30 de junho deste ano.

O diploma de transferência de competências na área da educação foi aprovado a 8 de novembro em Conselho de Ministros, com a intenção de que “os municípios passem a gerir os equipamentos e o pessoal não docente a partir do próximo ano letivo [2019/2020]”. Em causa estão 1.000 escolas, mais de 3.500 edifícios e cerca de 43 mil trabalhadores que passam a estar sob a esfera municipal.

A transferência “concretiza um modelo de administração e gestão do sistema educativo que respeita a integridade do serviço público de educação, a equidade territorial e a solidariedade intermunicipal e inter-regional no planeamento das ofertas educativas e formativas e na afetação dos recursos públicos”, notou o Ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, em conferência de imprensa, após a aprovação deste diploma setorial de descentralização.

As novas competências incluem “o investimento, equipamento e manutenção de edifícios escolares, alargadas a todo o ensino básico e secundário; o fornecimento de refeições nos estabelecimentos do 2.º e 3.º ciclo do ensino básico e do ensino secundário, gerido pelos municípios”, bem como “o recrutamento, seleção e gestão do pessoal não docente, transferindo-se o vínculo do Ministério da Educação para os municípios; e o reforço das competência do Conselho Municipal de Educação”.

O Governo prevê, de acordo com os valores de 2018, que sejam transferidos 800 milhões de euros de recursos que hoje são geridos pela Administração Central.

Ler mais
Recomendadas

Um quarto dos projetos de lei apresentados pelo PAN foram aprovados

Apesar de contar apenas com o deputado André Silva no Parlamento, o PAN considera que foram feitos avanços significativos em áreas que tendiam, até então, a ser “menosprezadas ou mesmo esquecidas”, como os direitos dos animais, proteção ambiental, justiça climática, alimentação ou o reforço dos direitos de algumas comunidades.

Programa Regressar: Governo prevê apoiar o regresso de três mil emigrantes este ano

As candidaturas ao programa abriram esta segunda-feira, estando previstos no Orçamento de Estado para este ano 10 milhões de euros para apoio do regresso dos profissionais portugueses e familiares.

Rui Rio sobre as sondagens: “Pergunto se ainda vale a pena fazer eleições”

Questionado sobre a sondagem divulgada esta terça-feira que dá o Partido Socialista com o dobro das intenções de voto do Partido Social Democrata, Rui Rio salientou que ignora sempre as sondagens.
Comentários