Na hora de investir, 92% dos investidores portugueses consideram fatores de sustentabilidade

Estudo da Allianz Global Investors coloca Portugal a liderar o ranking dos países europeus nos quais os clientes estão mais atentos e preocupados com investimentos sustentáveis, seguido por Itália e Espanha.

A sustentabilidade já não é um conceito estranho para os investidores portugueses, que cada vez mais têm em conta os critérios Ambiente, Social e Governança (ASG) aquando da decisão de investimento. Um estudo da gestora Allianz Global Investors, apresentado esta terça-feira, revela que 92% dos investidores portugueses está interessado em temas relacionados com a sustentabilidade e 87% assume que investiria provavelmente/defintivamente em fundos com objetivos de desenvolvimento sustentável.

O estudo, que abrangeu investidores da Bélgica, França, Alemanha, Itália, Holanda, Portugal, Espanha, Suécia, Suíça e Reino Unido, coloca Portugal a liderar o ranking dos países europeus nos quais os clientes estão mais atentos e preocupados com investimentos sustentáveis, seguido por Itália e Espanha.

A Allianz GI explica que 64% dos investidores inquiridos em Portugal espera que o investimento sustentável tenha um impacto positivo na rentabilidade. No entanto, além deste fator, a pesar na decisão sobre o investimento em produtos sustentáveis, 30% dos investidores portugueses diz esperar que as empresas “melhorem as suas políticas nesse campo”, enquanto 27% acredita que “o seu dinheiro ajuda realmente a mudar o mundo”.

“Há já algum tempo que está a germinar um interesse forte e crescente por investimentos sustentáveis na Europa e, mais especificamente, em Portugal, Itália e Espanha”, refere Isabel Reuss, diretora global de análise ISR deAllianz Global Investors, em comunicado. “Existem diferentes opções de investimento nesse campo para atender aos interesses dos diversos segmentos de clientes e a maioria dos clientes não associa investimentos sustentáveis a rendimentos mais baixos. Apesar disso, há ainda muito a ser feito nesta área e os consultores financeiros têm em geral ainda alguma relutância em recomendar este tipo de produtos”.

A gestora aponta ainda que “a água limpa (99%), a saúde(99%), a educação (98%)e os salários justos (98%) são as áreas que mais interessam aos investidores portugueses, seguidas da luta contra a corrupção(97%), dos direitos humanos e sociais(97%) e o combate às alterações climáticas(97%)”.

“Embora também muito importantes, as questões da diversidade e da habitação social são os aspetos menos valorizados”, realça.

Ler mais
Relacionadas

CMVM lança inquérito para perceber impacto da sustentabilidade na economia nacional

O supervisor financeiro apela ao contributo de todos os agentes do mercado português para perceber o impacto real da sustentabilidade na economia nacional. Os interessados deverão enviar os seus contributos à CMVM até ao dia 31 de março.

Finanças sustentáveis: o futuro dos mercados passa (também) por aqui

Num debate sobre o setor financeiro e o crescimento sustentável, a presidente da CMVM, a CEO da Euronext e especialistas no tema reconhecerem a evolução na integração dos temas de sustentabilidade nos mercados, mas consideram que há ainda um longo caminho a percorrer.
Recomendadas

Saiba quais são as alternativas ao uso da caderneta bancária

Tem caderneta bancária? Se é utilizador de caderneta bancária, desde 14 de setembro, que deixou de poder fazer levantamentos e transferências. A utilização da caderneta está limitada à consulta de movimentos e saldo bancário. Informamos os consumidores sobre como fazer levantamentos ou transferências? Como alternativa, pelo menos, para já, os consumidores terão de fazer os […]

Como se candidatar ao Porta 65 Jovem? Siga estes passos

Portal da Habitação revela que é dada prioridade aos candidatos ou agregados com rendimentos mais baixos, sendo que o rendimento mensal do jovem ou do agregado não pode ser superior a quatro vezes o valor da renda máxima admitida para cada zona.

Preço das casas em Portugal subiu 10,1% no segundo trimestre

Valor é comparativo ao mesmo período de 2018, sendo que face ao primeiro trimestre de 2019, o crescimento foi de 0,9 pontos percentuais. Entre abril e junho foram transacionadas 42.590 habitações.
Comentários