Nações Unidas alertam para aumento da temperatura do Planeta em quase três graus

O Programa Ambiental das Nações Unidas alerta que faltam oito anos para o fim do período estabelecido no Acordo de Paris: 2030. O novo relatório avisa que os países precisam de tomar uma ação urgente para fazer a temperatura e diminuir drasticamente as emissões de gases de efeito estufa.

Um novo estudo das Nações Unidas, que chega antes da realização da COP26, alerta que o planeta está numa trajetória que levará ao aumento da temperatura em 2,7ºC até ao fim do século. Este é mais um aviso que antecipa a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas de 2021, onde os líderes vão abordar o que precisa de ser feito para que o objetivo definido no Acordo de Paris seja atingido.

A reunião dos governos mundiais em Glasgow vai ficar marcada por um novo compromisso, em que os países têm de marcar o pé e definir um objetivo mais realista para ser atingido, dado que os estudos já realizados apontam que 2ºC ou 1,5ºC abaixo de níveis pré-industriais será algo difícil de atingir.

No entanto, o relatório das Nações Unidas divulgado esta terça-feira aponta que caso os objetivos de ter emissões negativas seja atingido, as temperaturas podem diminuir consideravelmente, ainda que a longo termo. O estudo mostra ainda que a subida da temperatura média em 2,7ºC teria “impactos altamente destrutivos” no mundo.

Outro relatório divulgado ontem pelo Organização Meteorológica Mundial apontou que a concentração de emissões de gases de efeito estufa atingiram novo máximo em 2020 e o que mundo está fora da trajetória que impede o aumento das temperaturas.

Os dados do estudo das Nações Unidas indicam que é necessário um corte de 30% para que o limite de 2ºC seja atingido e um corte de 55% das emissões para atingir para limitar em 1,5ºC. Os dados mostram um aumento para 2,2ºC até ao fim do século, embora esse não seja o caminho que os países querem seguir.

Um total de 143 países mundiais, que são responsáveis por 57% das emissões globais, já apresentaram novas previsões de corte de emissões antes da realização da reunião em Glasgow e estima-se que as suas emissões totais signifiquem 9% dos níveis de 2010, caso sejam implementadas até 2030.

Os estudos adiantam que os 192 países inscritos no Acordo de Paris têm de reduzir as suas emissões de gases de efeito de estufa em 28 giga toneladas de CO2. Por sua vez, para atingir o objetivo em 2030, o mundo tinha de deixar cair mais 13 giga toneladas.

Faltando apenas oito anos para 2030, o responsável do Programa Ambiental das Nações Unidas alerta que “o relógio está a correr ruidosamente”, existindo “oito anos para fazer planos, colocar políticas em prática, implementá-las e aplicar os cortes”, segundo Inger Andersen, diretor executivo do programa.

Relacionadas

Energias renováveis ultrapassam pela primeira vez combustíveis fósseis na UE em 2020

Em concreto, “o relatório mostra que as energias renováveis ultrapassaram os combustíveis fósseis como a fonte de energia número um na UE pela primeira vez em 2020, gerando 38% da eletricidade, em comparação com os 37% dos combustíveis fósseis” e com os 25% da energia nuclear, realça o executivo comunitário em nota à imprensa.

Emissões de gases de efeito estufa atingiram novo máximo em 2020

A associação mostra mesmo que a subida das emissões, e eventual concentração e acumulação, vai continuar a aumentar as temperaturas, fazendo o contrário ao perspetivado no Acordo de Paris.
Recomendadas

Madeira: PS ignora tudo o que tem sido feito para a consolidação de escarpas, diz PSD

“Temos tecnologia de ponta que é capaz de antecipar fenómenos como galgamentos e deslizamentos e um bom sistema de alerta de aluviões e deteção de incêndios”, garantiu o deputado do PSD Higino Teles.

Electrão premia tradutora e Infraestruturas de Portugal por ações em prol do ambiente

Lídia Nascimento destacou-se entre os vários ativistas pela recolha de 30 toneladas de lixo nos últimos três anos, além de realizar acções de sensibilização nas escolas e promover a alimentação sustentável, com vista à redução do consumo de carne e de peixe.

Central dessalinizadora no Algarve é um “seguro de água”

Ministro do Ambiente destaca 200 milhões do PRR para o Algarve para garantir que “algarvios não vão ter menos água no futuro”.
Comentários