“Não é altura de preocupações orçamentais mas de medidas eficazes”, alerta presidente da PwC

António Brochado Correia está confiante que o desafio que se coloca aos cidadãos e às empresas, com a vigência do Estado de Emergência e da crise sanitária, será ultrapassado com “dedicação, empenho e união de esforços”.

Focke Strangmann

O presidente da PricewaterhouseCoopers (PwC) Portugal prevê que os impactos da doença Covid-19 na economia irão ser “severos” e continuarão a depender da duração da pandemia e da resposta do Governo português, dos bancos, dos reguladores e das empresas.

“É fundamental que a primeira prioridade seja a boa saúde das pessoas e a preservação da paz social, pelas ocupações e empregos de cada um. Todas as medidas devem ser dirigidas a esse propósito, as pessoas devem estar sempre no topo das preocupações. Para isso, as empresas e empregadores precisarão de vários apoios. Não é altura de preocupações orçamentais mas de medidas eficazes que permitam atingir aquele objetivo”, afirma ao Jornal Económico (JE).

António Brochado Correia refere que nem todas as empresas poderão “passar esta fase”, sobretudo as dos setores do turismo e/ou da restauração, mas realça que as “mais preparadas e sólidas conseguirão”. “Estou confiante de que ultrapassaremos este desafio com dedicação, empenho e união de esforços, como já o desmontáramos várias vezes, e desta não será diferente. Somos um povo resiliente, que se une nos momentos difíceis”, disse ao JE.

O presidente da PwC Portugal admite ainda que poderá ser necessário implementar um plano de resposta governativa “mais arrojado e abrangente”.

Internamente, António Brochado Correia esclarece que as cerca de 1.700 pessoas que a consultora tem sob a sua responsabilidade em Portugal estão a trabalhar a partir de casa e que há líderes destacados para (re)definir as estratégias e medidas do plano de contingência em vigor na organização.

Relacionadas

PIB visto a afundar mais de 4%

Medidas de contenção da Covid-19 vão provocar recessão em Portugal. Impacto vai depender da duração da crise e da resposta das autoridades.
Recomendadas

Lojas de roupa fechadas, malas e sapatos ficam nas prateleiras. Qual a solução para as empresas?

Joana Telles de Abreu e Rita Sarabando Pereira, advogadas da Telles, defendem um aumento do número de dias permitidos para saldos, além dos 124 dias legalmente permitidos, para auxiliar este tipo de lojas, que terão de fazer o escoamento de vestuário e acessórios.

Simulações: Saiba qual vai ser o seu salário líquido em regime de lay-off

Simulações feitas pela Deloitte indicam como é que fica o salário líquido dos trabalhadores durante o regime de lay-off.

PLMJ promove oito advogados

Cristiano Dias, João Maria Mota de Campos, Manuel Sequeira, Pedro Rosa e Sara Lemos de Meneses foram nomeados associados sénior nos escritórios em Portugal. Emmanuel da Silva e Elsa Tchicanha em Angola e Natércia Sitoe em Moçambique.
Comentários