“Não morremos porque não calhou. Ficámos sem nada”. Sete portugueses repatriados de Moçambique já aterraram em Lisboa

O ciclone Idai afetou um total de 2,8 milhões de pessoas em Moçambique, Maláui e no Zimbabué. Só no país lusófono foram afetadas 531 mil pessoas, com 446 mortos registados.

Lusa

Os sete portugueses repatriados de Moçambique aterraram em Lisboa na madrugada desta segunda-feira. Os portugueses foram repatriados após a devastação causada pelo ciclone Idai, que vitimou 446 mortos em Moçambique.

“Não morremos porque não calhou”, disse Maria Lopes à chegada à Lisboa. “A solução foi vir embora para aqui, para o nosso país. Ficámos sem nada”, afirmou uma das portuguesas que chegou de Moçambique citada pelo Jornal de Notícias.

“Não dá para contar. Árvores inteiras a cair em cima dos telhados. Mas árvores centenárias, que partem logo uma casa, se for preciso”, contou a portuguesa, que aterrou com o seu marido e um neto de 15 anos.

“Vocês não imaginam o vento que foi. Começou a chover. Depois, durante a noite, até à meia-noite, [foi] muito agressivo e parecia que aquilo ia abrandar. O vento virou ao contrário, era só levantar tudo, telhados, tudo”, relatou Maria Lopes, dando conta que deixou para trás um filho, a nora e a uma “netinha”, segundo o JN.

O ciclone Idai afetou um total de 2,8 milhões de pessoas em Moçambique, Maláui e no Zimbabué. Só no país lusófono foram afetadas 531 mil pessoas.

Uma das cidades mais atingidas foi a da Beira, localizada no centro litoral do país. Na sequência do ciclone, uma área com cerca de 1.300 quilómetros quadrados ficou totalmente inundada.

Portugal já enviou vários operacionais para esta cidade. No dia 20, aterrou um avião C130 na Beira com 35 militares a bordo, uma equipa cinotécnica da GNR, mais botes e uma equipa de fuzileiros que já estiveram na mesma região em 2000 após as cheias daquele ano.

Já no dia 23 de março aterrou na Beira um segundo C130 com ajuda portuguesa, transportando uma equipa avançada de peritos da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), elementos da Força Especial de Bombeiros, da Guarda Nacional Republicana (GIPS e binómios de busca e socorro), do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e da EDP.

Depois da tragédia, as autoridades agora temem surtos de cólera e de sarampo.

Inicialmente, cerca de 30 portugueses foram dados como desaparecidos, mas

Segundo avião C-130 com apoio português aterra em Moçambique

Ler mais
Relacionadas

Segundo avião C-130 com apoio português aterra em Moçambique

A aeronave da Força Aérea Portuguesa, com apoio português às operações de socorro às vítimas da passagem do ciclone Idai em Moçambique, aterrou este sábado na cidade da Beira pelas 10:30 (08:30 em Lisboa).

“Queremos comida”, gritam centenas na cidade da Beira após ciclone que atingiu Moçambique

O Idai, com fortes chuvas e ventos de até 170 quilómetros por hora, atingiu a Beira (centro de Moçambique) na quinta-feira à noite, deixando os cerca de 500 mil residentes na quarta maior cidade do país até hoje sem energia.

Portugal envia militares, médicos e equipa da proteção civil para Moçambique

O anúncio foi feito hoje, em Lisboa, pelo ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE), Augusto Santos Silva.

Moçambique: 30 portugueses por localizar na cidade da Beira

“Há ainda portugueses que não estão localizados: temos na embaixada 30 pedidos de localização”, referiu o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, poucas horas depois de ter chegado a Maputo, de onde seguirá num voo doméstico para a cidade da Beira.

Auxílio às vítimas do ciclone Idai: Saiba como ajudar Moçambique

O embaixador moçambicano em Portugal, Joaquim Casimiro Simeão Bule, sublinha especificamente a necessidade de “produtos alimentares enlatados, com período de validade prolongado”; “produtos para o tratamento de água, produtos de higiene e limpeza”, assim como “apoio monetário”.
Recomendadas

PremiumFuturo de Espanha decide-se a partir de Estremera

Hegemonia da ERC na Catalunha pode levar a maioria absoluta de esquerda liderada pelo PSOE de Pedro Sánchez, juntando também o Unidos Podemos.

Joana e Mariana Mortágua: “Leva o Bolsonaro para ao pé do Salazar”

“Ó meu rico Santo António, ó meu santo popular, leva lá o Bolsonaro, leva lá o Bolsonaro para ao pé do Salazar”. É assim a letra da música, que envolve o presidente do Brasil, cantada pelas deputadas do Bloco de Esquerda durante uma marcha do 25 de abril. A música foi cantada na presença de Catarina Martins, de Marisa Matias e de um deputado francês. O ditador António de Oliveira Salazar morreu em 1970.

Barclays passa de lucros a prejuízos e admite mais cortes de custos

Ainda segundo os resultados hoje conhecidos as receitas caíram 2% para 5,25 mil milhões de euros de libras (6,1 mil milhões de euros à taxa de câmbio atual), o que levou o banco a admitir que terá de reforçar o cortar custos se a queda de receitas persistirem no resto do ano.
Comentários