Premium“Não prevemos fazer mais aquisições este ano”, diz CEO da Greenvolt

João Manso Neto, CEO da renovável que a Altri quer por em bolsa, diz ao JE que a ambição passa por aquisições, mas depois de ter fechado a compra da britânica Tilbury, a próxima será no próximo ano.

Relacionadas

Os grandes números da Greenvolt, a renovável que a Altri quer por em bolsa

Um ‘pipeline’ de 3.6 gigawatts em capacidade solar e ‘onshore’ eólica e zero dividendos para poder dedicar os recursos para um crescimento rápido que requer investimento de até 1.800 milhões de euros. Estes são alguns dos grandes números apresentados por João Manso Neto no Capital Markets Day da Greenvolt esta terça-feira.

Greenvolt vai investir mais de 1,5 mil milhões e avisa que não vai haver dividendos até 2025 (com áudio)

O objetivo da empresa é crescer nos próximos anos com o objetivo de atingir 3,6 gigawatts de projetos de energias renováveis “com alta qualidade”. Portugal, Polónia, Grécia e Roménia são alguns dos destinos da empresa liderada por João Manso Neto.

“Tangível ambição pan-europeia”. Greenvolt está a desenvolver projetos em França e Itália, diz CEO

A “tangível ambição pan-europeia passa pela aquisição seletiva de ativos cujo desempenho está a ser abaixo da capacidade, sendo a compra da Tilbury um primeiro passo,” disse João Manso Neto, salientando que a empresa vê mais de 30 oportunidades que poderão ser acionadas no curto prazo.

“Estudo ainda está a decorrer”, diz Manso Neto sobre entrada da Greenvolt na Bolsa de Lisboa

O anúncio foi feito no Capital Markets Day da Greenvolt, que até recentemente tinha a denominação de Bioelétrica da Foz.
Recomendadas

Presidente da Associação Portuguesa de Logística: “É fundamental investir em infraestruturas”

Raul Magalhães considera que o desenvolvimento dos portos marítimos nacionais foi o ponto forte do sector nos últimos anos, a par da evolução dos operadores e integradores logísticos.

PremiumCapgemini reforça ‘know how’ na área de engenharia

Apesar da procura acrescida em 2020, a Capgemini reporta um ano “sem disrupções”. Agora, o grupo procura com a Capgemini Engineering reforçar a sua capacidade técnica em sectores chave.

Terceiro passageiro na viagem ao espaço com Jeff Bezos pagou 23 milhões de euros

Este foi o único lugar colocado à venda e o dinheiro angariado reverterá a favor da fundação Club for the Future, uma associada da Blue Origin que promove o ensino da matemática e da ciência.
Comentários