Não sabem ler nem fazer contas: UNESCO revela realidade de 617 milhões de crianças

“O mais surpreendente – e alarmante – é o facto de dois terços das crianças que não atingem os níveis mínimos estão na escola”, escreve a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

Os mais recentes dados do Instituto de Estatística da UNESCO (UIS) mostram que 617 milhões de crianças e adolescentes em todo o mundo não têm os níveis mínimos de proficiência em leitura e matemática.

Segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, esta situação indica “uma crise de aprendizagem”, que pode mesmo ameaçar as metas das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável.

Mais de 387 milhões de crianças da escola primária (56%) e 230 milhões de adolescentes do ensino secundário (61%) não alcançaram os níveis mínimos em leitura e matemática.

A África subsariana tem o maior número destes casos: 202 milhões de crianças e adolescentes.

“Maioria que não atinge níveis mínimos está na escola”

“O mais surpreendente – e alarmante – é o facto de dois terços das crianças que não atingem os níveis mínimos estão na escola”, escreve a UNESCO. Das 387 milhões de crianças em idade escola e incapazes de ler com eficiência, 262 milhões frequentam a escola. Há também cerca de 137 milhões de adolescentes no secundário que não conseguem atingir os mesmos níveis mínimos.

A UNESCO aponta três falhas principais: a falta de acesso à escola, a incapacidade de reter todas as crianças na escola e mantê-las no bom caminho e, em terceiro lugar, a (falta de ) qualidade da educação.

Ler mais
Recomendadas

‘Mão pesada’ chega à Suécia para conter infeção por Covid-19

O objetivo de Löfven, o primeiro-ministro sueco, é ter os poderes concentrados no governo, para que consigam conter a propagação do vírus, com efeitos imediatos, e impedir a fase de mitigação que está atualmente a acontecer em vários países.

“Mesmo em tempos de crise, não podemos usar métodos do faroeste”. Países em ‘guerra’ por máscaras e ventiladores

Encomendas canceladas, equipamentos que são desviados para outros países, preços inflacionados e embargos que dificultam a luta contra a pandemia. A Covid-19 está a gerar inúmeras tensões diplomáticas entre países que lutam entre si para ter os melhores argumentos para lidar com a pandemia.

Espanha. Número de mortes diárias é o mais baixo em duas semanas

O valor divulgado esta segunda-feira, 6 de abril, representa uma quebra acentuada face aos últimos dias quando se verificaram novos máximos todos os dias.
Comentários