Não sabem ler nem fazer contas: UNESCO revela realidade de 617 milhões de crianças

“O mais surpreendente – e alarmante – é o facto de dois terços das crianças que não atingem os níveis mínimos estão na escola”, escreve a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

Os mais recentes dados do Instituto de Estatística da UNESCO (UIS) mostram que 617 milhões de crianças e adolescentes em todo o mundo não têm os níveis mínimos de proficiência em leitura e matemática.

Segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, esta situação indica “uma crise de aprendizagem”, que pode mesmo ameaçar as metas das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável.

Mais de 387 milhões de crianças da escola primária (56%) e 230 milhões de adolescentes do ensino secundário (61%) não alcançaram os níveis mínimos em leitura e matemática.

A África subsariana tem o maior número destes casos: 202 milhões de crianças e adolescentes.

“Maioria que não atinge níveis mínimos está na escola”

“O mais surpreendente – e alarmante – é o facto de dois terços das crianças que não atingem os níveis mínimos estão na escola”, escreve a UNESCO. Das 387 milhões de crianças em idade escola e incapazes de ler com eficiência, 262 milhões frequentam a escola. Há também cerca de 137 milhões de adolescentes no secundário que não conseguem atingir os mesmos níveis mínimos.

A UNESCO aponta três falhas principais: a falta de acesso à escola, a incapacidade de reter todas as crianças na escola e mantê-las no bom caminho e, em terceiro lugar, a (falta de ) qualidade da educação.

Ler mais
Recomendadas

Casa Branca anuncia nova cimeira EUA-Coreia do Norte para fevereiro

O anúncio foi feito depois de uma reunião de Trump, durante cerca de uma hora e meia, com um enviado norte-coreano, Kim Yong Chol, e o secretário de Estado, Mike Pompeo, para preparar o encontro entre Trump e Kim.

Bruxelas propõe aos EUA a eliminação de tarifas sobre produtos industriais

Em conferência de imprensa na sede da Comissão Europeia, em Bruxelas, a comissária da área do Comércio, Cecilia Malmström, salientou que a proposta hoje divulgada, e que vem no seguimento das negociações com os Estados Unidos iniciadas em julho passado, é “limitada, mas ainda assim importante, e será boa para ambos”.

Angolana Sonangol assume oficialmente novas posições em blocos que comprou à Cobalt

O presidente do conselho de administração da Sonangol, Carlos Saturnino, anunciou a 28 de junho, em Luanda, que a petrolífera pagou então a totalidade da dívida acordada com a norte-americana Cobalt, antes do prazo limite, que era 01 de julho, sobre aqueles dois blocos.
Comentários