Não ter fundido o BES e o BCP foi um “erro estratégico”, acusa Amílcar Morais Pires

Após cinco anos de silêncio, o antigo administrador do BES com o pelouro financeiro dá uma entrevista ao jornal espanhol El País na qual diz que já não há bancos (privados) genuinamente portugueses, o que vai custar caro ao país. Na queda do BES, aponta baterias ao Banco de Portugal.

“Já não há bancos genuinamente portugueses. Pagar-se-á caro”. Após cinco anos de silêncio, o administrador do BES com o pelouro financeiro, o homem apontado para suceder a Ricardo Salgado antes da queda do maior banco privado português, quebrou o silêncio e deu uma entrevista ao jornal espanhol El País, na qual diz que com o desaparecimento do BES praticamente desapareceu a banca privada portuguesa.

Na esfera pública, especificou, há a CGD, tudo o resto é estrangeiro: o Santander é espanhol, o BCP tem capitais chineses e angolanos, o BPI é espanhol e o Bankinter também é espanhol. “Todos deixam de ter o seu centro de interesse em Portugal ou em países lusófonos. Isso terá um preço”, vincou.

Na opinião do antigo administrador do BES, “aquele momento” poderia e deveria ter sido aproveitado para fusionar o BES com o BCP e criar um banco português relevante. “Foi um grande erro estratégico” isto não ter sido feito, acusa, justificando: “Na próxima crise o ministro das Finanças não terá no sistema bancário nacional os interlocutores  necessários para, por exemplo, desenhar um plano de contingência para as empresas públicas”.

Amílcar Morais Pires diz também que a decisão do Banco de Portugal de intervir foi “incompreensível e injustificada”, com consequências para todos. E os resultados estão à vista: “Foi má para os acionistas, para os clientes, para os trabalhadores e para o estado, que pôs 4 mil milhões e quatro anos depois já os perdeu”.

Relacionadas

Governo aprova garantia de 150 milhões para indemnizar os lesados do BES

O valor destina-se a pagar indemnizações aos cerca de dois mil clientes que compraram, aos balcões do BES, 400 milhões de euros em papel comercial.

BES. Solução para sucursais exteriores pode abranger cerca de 300 pessoas

Em declarações à Lusa, António Borges, presidente da direção da entidade, congratulou-se por, “finalmente, o Governo ter enquadrado os restantes lesados numa solução”, depois de um comunicado do gabinete do primeiro-ministro ter revelado que o Governo propôs às associações de lesados das sucursais exteriores do BES uma solução semelhante à do Banif, que prevê a delimitação de lesados não qualificados com vista à criação de fundo de recuperação.
Recomendadas

PremiumBCP lidera em volume de ativos por impostos diferidos protegidos pelo Estado

Perduram no balanço dos bancos 3,8 mil milhões de euros de ativos por impostos diferidos elegíveis para capital por serem protegidos pelo Estado ao abrigo do regime especial. O BCP tem 2 mil milhões.

Caixa Geral de Depósitos espera propostas vinculativas por banco no Brasil no quarto trimestre

Esta quinta-feira, o Governo aprovou em Conselho de Ministros uma resolução que seleciona os potenciais investidores que serão convidados a apresentar proposta vinculativa pela instituição brasileira, detida pela Caixa.

PremiumFundo de Resolução terá de ceder ao Estado parte dos 25% que detém no Novo Banco

Venda do Novo Banco à Lone Star estipula que entrada do Estado no capital por força do regime especial dos DTA só dilui o Fundo de Resolução.
Comentários